03 - set
  

Síndrome da distrofia simpática reflexa

Categoria(s): Dicionário, Doença de causa desconhecida, Fisioterapia, Neurologia geriátrica




Dicionário

A distrofia simpática reflexa, também conhecida como algodistrofia ou síndrome da dor regional complexa, é uma condição dolorosa incapacitante que se desenvolve após lesão traumática grande ou pequena. Muitas vezes existe disestesia constante, que é desproporcional ao trauma, podendo se estender para grande parte da extremidade afetada.

Alterações vasomotoras estão presentes, com hiperemia e edema se desenvolvendo nos estágios precoces e pele com sudorese nos estágios tardios.

Atrofia muscular e cutânea, contraturas e osteopenia são conseqüências tardias desta síndrome pouco conhecida.

Embora os sinais e sintomas sugiram processo inflamatório, os estudos laboratoriais e anatompatológicos não o confirmam. A patogênese permanece controversa e o diagnóstico baseia-se em características clinicas.

O tratamento é com antiálgicos.

Referências:

Kozin F – Reflex sympathetic dystrophy syndrome: a review. Clin Exp Rheumatol 1992;10:401-409.

Veldman PH, Reynen HM, Arntz IE, Goris RJ – Signs and symptoms of reflex sympathetic dystrophy: prospective study of 829 patients. Lancet. 1993;342:1012-1016

Tags: , , , , ,




Comentário integrado ao Facebook:


89 Comentários »

  1. Lucimar da Silva comenta:

    13 dezembro, 2008 @ 9:56 AM

    Bom Dia! Tenho 45 anos e a 3 tive uma lesão no nervo apos uma cirurgia de Sindrome do turn do tarso,de lá pra cá venho sofrendo com dores intensas em dezembro de 2006 fiz uma cirurgia para colocar um neuroestimulador ,tbn fiz uma rizotomia em abril de 2008 que piorou e muito meu quadro. Sofro muito com dores mais nas pernas mas tem epocas que chega a endurecer até o pescoso. Meu medico tem me dado medicação que pouco resolve gostaria de saber mais sobre essa doença e tratamento.desde já agradeço. Lucimar da silva ,sou de DIVINOPOLIS , MG

  2. Danielle Cristina Camargo - 21 anos comenta:

    24 dezembro, 2008 @ 11:18 PM

    Ao amanhecer de um certo dia, questão de cinco anos atrás, comecei a sentir dores terríveis na mão direita, com uma hipersensibilidade muito grande.
    Fiz diversos exames, em busca da causa desta dor, entretanto em nenhum destes apresentou a causa, sendo o último realizado a poucos dias, uma ressonância magnética da coluna cervical e do plex braquial, que não apresentou nenhuma anomalia que justificasse este sofrimento que carrego comigo.
    Em uma consulta nesta semana em um Neuro clínico, na cidade de Belo Horizonte (Dr. Kleber Augusto – fone: (31)3213-5550), este assim como já havia falado um outro Neuro clínico da cidade de Uberlândia, disse não haver cura, que o tratamento deve ser feito por bloqueios e antidepressivos, tendo receitado GABAPENTINA para o caso.
    Em busca de uma notícia que pudesse me trazer esperanças, encontrei em seu site uma grande perspectiva.
    Já fiz seções de fisioterapia e apucumtura, fiz quatro bloqueios sendo que no último parece que não fez o mesmo resultado dos três primeiros.
    Já tomei muita medicação e de nada valeu.
    Gostaria imensamente de ouvir do Sr. uma perspectiva melhor pra minha vida, como pode observar acima, sou muito nova pra tanto sofrimento.
    Por caridade, me ajuda, não tenho condições de ir até o senhor, porque moro muito longe, minha cidade localiza-se na divisa de Minas Gerais com o Espírito Santo, então se for possível, passe um e-mail pra mim dizendo qual medicação devo tomar com que associação.
    Meu braço já está atrofiando já é perceptível a diferença inclusive de temperatura entre um e o outro.
    Desde o começo está diagnosticado como DISTROFIA SIMPATICO REFLEXO, e pelo médico de Uberlândia, foi dito tratar-se de DISTROFIA REGIONAL TIPO UM
    Conto com o senhor para um alivio imediato de minhas dores e quem sabe a cura vem de Deus através de suas mãos.
    Um grande abraço e um Feliz Natal

  3. Luciana roberta comenta:

    11 fevereiro, 2009 @ 2:52 PM

    Faço tratamento no hospital Governador Celso Ramos em Florianópolis. Luto contra essa dor insuportavel as vezes tenho vontade de desistir.
    A dor vem deis do dedinho até o lado esquerdo da cabeça.
    Meus dedos já estão tortos.
    Isso dói muito existe cura para distrofia simpático reflexo?
    Por que tem tão pouco especialistas nessa aréa?
    Tenho uma médica ótima se não fosse por ela ja teria desistido.

  4. Lucileide do Nascimento comenta:

    14 março, 2009 @ 8:52 PM

    Em janeiro de 2009 tive um entorse no tornozelo direito imobilizei onze dias com tala que o médico assim me recomendou tirei ele disse que não estava bom por isso deveria ficar mais sete dias depois dos sete dias tirei me recomendou fisioterapia fiz dez sessões voltei ainda não estava boa como depois do trauma eu apenas fiz um raio -x então pediu-me uma ultra-som pois descofiava que além de ter lesionado tendõe ligamentos pelo inchaço o pé um pouco rouxo havia mais algumas lesões no pé foi quando constatou após a ultra-som a distrofia simpático reflexa preciso trabalhar estou ansiosa faço copresses de gelo contraste água gelada e quente p/ desinchar estou tomando anti-inflamatório flotac e nada estou desanimada pois disse que / ficar boa no mínimo seis meses de tratamento.Obs: a ultra-som constatou tenossinovite a dos tendõe a exteriores a nível comum dos dedos desde já aguardo sua resposta.

  5. celia rabb comenta:

    17 março, 2009 @ 10:03 PM

    A oito meses machuquei o lado direito erguendo um paciente no hospital onde trabalho como tecnica de enfermagem logo apos comecei a sentir dores muito fortes dos dedos ate o pescoço com mudança de temperatura meu medico deu o diaginostico como distrofia simpatica reflexa a esclarecer nao sei mais o que fazer estou sendo medicada e nao melhoro e nao consigo trabalhar se puder gostaria de mais informaçoes sobre o tempo de tratamento para voltar as minhas atividade e algum medicamento alem do que estou tomando tomo pamelor gabapentina paracetamol tramal sera que ainda tenho geito

  6. Eron Cunha comenta:

    7 abril, 2009 @ 3:05 PM

    Á 1 ano e 2 meses, pela madruga, senti uma dor na ponta do pé esquerdo e no local surgiu uma mancha roxa que foi se espalhando pelos dedos e depois para o resto do pé sempre acompanhada com dor, tipo uma quimação e manchas roxas.Um mês depois passou para o outro pé e para as pernas com regides nos musculos e hoje está no corpo todo. Porém o pé direito que foi atingido depois do esquerdo doi muito, não permitindo nem uso de sapato e para dormir tenho que usar um melhoral a cada 3 dias para aliviar a dor. Fui a 2 neuros e 2 angiologista e diversos outros médicos além de fazer todos os tipos de exames possiveis e nada foi constatado. Dizem os neuros tratar-se de DSR. Tomei gabapentina mas nada resolveu. Gostaria de uma ajuda, se possível, para o tratamento ou pelo menos amenizar um pouco a dor.

  7. Renat@ comenta:

    9 maio, 2009 @ 1:40 PM

    Gente, esse mal esta num site como se só ocorresse em idosos.Eu tenho 28 anos e desde de
    2006, qdo tinha 25 comecei a sofrer com a DSR. Ja fiz 3 cirurgias, tomo medicamento direto
    e ainda pra melhorar, tenho fibromialgia. Fiz inumeras sessões de acupuntura e nada resolveu,
    fisioterapia perdi as contas de quantas sessões. Ontem estive com a minha médica, especialista em mão, e ela me encaminhou pra clinica da dor para uma nova avaliação, engraçado q exames como eletroneuromiografia não acusam nada e quem ñ tem a DSR acha q estamos mentindo ou inventando coisa, mas só quem sente as dores, as queimações é q sabe o q é ter esse mal onde remédios ñ aliviam, compressas seja quente ou fria ñ resolvem.
    Como ja disseram, as vezes penso em desistir do tratamento, pq a gente faz tanta coisa e nada resolve, só DEUS msm pra nos ajudar a suportar.

  8. Brenda comenta:

    23 maio, 2009 @ 9:30 AM

    Bom Dia minha mãe tem Distrofia Simpatica Reflexa.
    Essa doença tem cura??/
    Aguardo resposta.

    Grata

  9. Renat@ comenta:

    24 maio, 2009 @ 12:48 PM

    Brenda, segundo a minha cirurgiã, ñ há cura ñ, o paciente tem q aprender a viver com a doença. Quarta feira agora, dia 20 tive uma consulta com outro especialista q disse a msm coisa, me orientou a voltar para as sessões de acupuntura .
    Mas diga a sua mãe q faça o tratamento direitinho, pois tem momentos q os sintomas quase desaparecem, da pra viver razoavelmente bem. O mais importante é não perder a fé em DEUS!

    Abraço

  10. clayton da conceição comenta:

    26 maio, 2009 @ 11:43 AM

    sou casado tenho 3 filhos estou com 32 anos bom vou explicar meu sofrimento com DSR em 1998 trabalhava numa empresa de componentes eletronicos e sofri acidente uma placa de inox do monitor computador entrou meu punho dai em diante veio sofrimento com esta doença ja passei por anos tratamento com especialista de mão ele me disse que esta doença e incuravel ela nao consta nem em exames so pode aver quadro de alivio para a dor tomo remedio todos por receitas controladas e atualmente trato braço com mais duas neura e faço tratamento com fisioterapia mas dor e muita que para fazer higiene tomar banho nao pode nem cair agua no braço a dor e intensa esta dor do braço ja esta ate no pescoço para dormir tenho que dormir de lado antes nao consegui nem dormir ia pensar em cochilar la pelas 4:30 da manha e acordava as 8:00 hrs mas começei a tomar medicamentos ja começei dormi melhor pouco minha vida ta cravada na dor minha mão soa muito fica ate escura nao tenho movimentos a tempo e de todos medicos que ja passei ja me falaram que esta doença nao a cura .
    Gostaria so de saber se com estes tratamentos pode aliviar ha dor ???
    obrigado pela atenção.

  11. Renat@ comenta:

    26 maio, 2009 @ 9:15 PM

    Clayton entendo o q vc passa, só q a minha mão ñ soa ela fica gelada e com manchas roxas, tipo qdo estamos com frio, minha médica ficou abismada qdo viu. Não sei se vc já tentou, mas a acupuntura alivia bastante. Meu acupunturista desenvolveu uma “tecnica” q funcionou cmg mto tempo. Eu fazia no começo sessões as terças e quintas, mas como foi aliviando fiquei fazendo só as terças e ficava o resto da semana praticamente sem dor. Ele inseria 6 agulhas no meu braço, elas quase sumiam, tres no sentido do cotovelo no ante-braço e tres no sentido do punho. Ele protegia as agulhas com microporo e eu vinha embora, ficava com elas em torno de 2 a 3 hrs com elas dentro da pele, eu colocava a ortese pra evitar pancadas no local, sinceramente, era mto boa a sensação de alivio q aquelas agulhas proporcionavam. Vou retomar as sessões semana q vem.

    Boa sorte pra vc.

  12. Renat@ comenta:

    26 maio, 2009 @ 9:22 PM

    Ahhh eu tb tomo remédio pra dormir(Amitriptilina), dormir só com ele. Me sinto mto confortável com os comentários e desabafos q encontramos ak, pq de certa forma eu ñ estou maluca, a doença existe e outras pessoas sentem o q eu sinto. Qdo apresentei os sintomas a primeira vez um médico especialista de mão me mandou pra casa dizendo q ñ era nada, fiquei tão frustrada com aquilo, pq quem senteia a dor era eu, como ele poderia dizer se tinha ou não algo?? Dois dias depois q ele falou isso pra mim, minha mão inchou e ficou toda roxa ai voltei nele e falei: e ai doutor tenho ou não tenho nada? Ele ficou mto sem graça e pediu desculpas, falou q os exames de raio X e ultra-som ñ acusaram nada…. papo de médico, mas fiquei mto triste com ele e nunca mais voltei lá, graças a DEUS pq graças a isso achei a minha médica que é ótima.

  13. Luciana roberta comenta:

    2 junho, 2009 @ 11:03 AM

    Hoje estou me sentindo pequena e inútil,não sei mais o que fazer bloqueios ,amitripitilina,diazepan, acumputura nada me ajudou estou me cansando a dor é cruel meu braço esquerdo ja esta menor que o direito meus dedos não abrem ja não sei mais o que fazer.
    Fiz uma ressonância magnética além da distrofia que já tenho deis de 2004 a conclusão foi:Tendinopatia sem rotura supra-espinhal,
    Bursite subacromial-subdeltoideana.
    Lesão labral com formação de cisto sinovial adjacente ao seu contorno posterior.
    Ufa isso me assusta,eu não tinha diabetes e depois de tantas medicacões meu pancrêas inflamou e aqui estou eu com outra patologia. Minha médica passou fisioterapia estou na fila de espera.
    Por favor to sem forças pra continuar a lutar, não quero que meu braço fique pior do que esta.
    Será que tem algo que ainda não fiz que poderia fazer?
    Desculpe mais foi o jeito de poder desabafar.
    Hoje ainda não parei de chorar,é uma dor que não quero mais sentir,quero minha vida de volta não consigo me habituar com essa situação.
    Se alguém puder me ajudar agradeço.Só quem tem essa doença sabe como é esse sofrimento. Obrigada

  14. Renat@ comenta:

    3 junho, 2009 @ 9:17 PM

    Sei exatamente como se sente, ontem tb estava me sentindo assim, o tempo muda, esfria e a dor aumenta, meu braço está roxo e ñ estou dobrando o polegar . Fui ao pronto socorro de uma clínica daqui e fui tão mau atendida por um médico q ñ estava me fazendo favor, ele recebe do meu plano de saúde por cada consulta. Ele olhou pra mim e disse q ñ pode fazer nada, q devo voltar a minha médica, só fiz a seguinte pergunta: ” Hj é terça, ela só atende na sexta ak, será tenho q sentir dor até sexta? Ele simplesmente se calou e passou um remédio pra dor q ñ resolveu nada. Eu tb achei nesse site um lugar de desabafo.

  15. Gilciene comenta:

    18 junho, 2009 @ 12:40 PM

    Minha tia tambem tem essa doença,a dela ta bem avançada faz um ano que a mão dela ta inchada e agora inchou todo o braço.ela sente dores dia e noite e tem medicos que tbm dizem a ela que isso não é nada.Renata vamos trocar emails pra falar mais sobre essa doença.e desabafar um pouco.

  16. Renat@ comenta:

    18 junho, 2009 @ 8:15 PM

    Oi Gilciene, só add re_supergirl@hotmail.com.

    Abraço

  17. Gilciene. comenta:

    19 junho, 2009 @ 9:42 PM

    Obg Renata ja add,esse que me passou é seu msn??
    o dia que puder tc então ok,bjão

  18. Gilciene comenta:

    23 junho, 2009 @ 5:52 PM

    Renata, me add vc meu msn. gil.eusoumaiseu@hotmail.com
    bjs

  19. Marcia festa comenta:

    24 junho, 2009 @ 4:44 PM

    Boa tarde à todos que se encontram na mesma situação que a minha ou diferente em alguns sentidos.
    No dia 4 de abril do ano de 2007 eu sofri um acidente de trabalho, qual eu predi a minha mão direita, por esta doença Distrofia simpática reflexa.
    Foi um tombo inofensivo até o presente qual eu me vi caida na escada do Condominio onde trabalho como Zeladora a 25 anos, e este tombo ocorreu as 17:30 da tarde, achei que era apenas uma distorção banal, coloquei a minha mão sobre gelos, e quando foi as 05:00 do dia 05/04/2007 dei entrada no Ps central de Praia grande, onde um Medico Ortopedista me avaliou e mandou fazer um raio-x dizendo que eu fraturei todos as juntas dos dedos, no mesmo dia injessaram a mnha mão e este processo durou 5 meses, tira gesso e coloca gesso e nada do incahsso diminuir, apenas aumentava cada vez mais de eu não suportar o gesso, no 5 mês precisaram cortar o gesso com uma cerra, pq o gesso não saia de tão inchada que estava a minha mão, neste processo eu ja tomava remédios fortissimos como por ex: Amitriptilina e cada vez com dosagem mais alta, e este como outros remedios eu tomava di e noite, para aliviar a dor , após este processo passei a toma boqueios para tentar amenizar a dor, e após estes bloqueios eu ja não levantava o braço direito, foi neste momento que pararam de me dar os bloqueios e me encaminharam para Fisioterapia, onde fiz tratamento durante 1 ano, e quando viram que não havia resultados, me encaminharam para o Hospital das clinicas, onde eu me encontrei em uma sala com 16 especialista somente de mão, foi onde o medico via que não existia mais nenhuma solução para o meu caso, ele me apresentou a uma sra que estava sentada numa cadeira de rodas e me deu um ex: perguntando se eu achava que aquela sra iria voltar a andar e eu respondi que não, e ele logo em seguida me disse o caso da sra marcia não é diferente desta sra que se encontra sentada na cadeira, a sra tbm não irá movimentar mais a sua mão direita…
    E quando sai do Hospital meu tio não se deparava de tanto chorar com esta situação, e eu disse ao meu tio que ele não chorasse pq eu sou feliz mesmo estando nesta situação, pq existem pessoas com muito mais dificuldades que a minha e são felizes da melhor forma possivel e comigo não poderia ser diferente, pq eu perdi um membro e não todos do meu corpo, foi neste que eu decidi a conviver com a dor, pq não haveria nada mais a ser feito, alem dos tratamentos quais eu faço, e por irônia do destino o mesmo Ortopedista que me atendeu na madrugada qual eu dei entrada no Ps, foi o mesmo que matou a minha mãe por um tombo qual ela quebrou o fermo, e ele colocou varias doenças que nunca existiram nela quando ela faleceu, após um ano qual eu ja tinha perdido a minha mão.
    Ainda fui obrigada a ouvir piadinhas do Proprio Sindico do condominio onde eu trabalho, onde ele foi testemunha quando eu cai, pq ele me viu deparado nas escadas e assinou o cart como minha testemunha do meu acidente de trabalho, e após alguns dias quando eu dei entrada no Inss, ele virou para mim e disse que daria uma martelada na mão para poder pegar umas ferias, até estes tipos de piadas fui obrigada a ouvir, e me calar quando muitas vezes não quiz, mas ele ainda é o sindico do condominio onde estou registrada.
    Mesmo com as dores 24:00 por dia eu e considero uma mulher guerreira por que não foi e nem sera estas dores que iram me abater, pq eu perdi uma mão enão o restante do corpo.
    Obrigado à todos e se alguém quiser trocar ideias ou ver como se encontra o meu caso é só me add no msn, que é festa.marcia@hotmail.com

  20. Marcia festa comenta:

    24 junho, 2009 @ 4:48 PM

    Mas o pior de tudo é que fui obrigada a ouvir após varios laudos medicos que o meu caso de (DSR) é Irreversivel, mesmo sabendo que não movimentarei mais a minha mão, sou uma mulher muito feliz…

  21. Marcia festa comenta:

    24 junho, 2009 @ 4:51 PM

    Boa tarde à todos que se encontram na mesma situação que a minha ou diferente em alguns sentidos.
    No dia 4 de abril do ano de 2007 eu sofri um acidente de trabalho, qual eu predi a minha mão direita, por esta doença Distrofia simpática reflexa.
    Foi um tombo inofensivo até o presente qual eu me vi caida na escada do Condominio onde trabalho como Zeladora a 25 anos, e este tombo ocorreu as 17:30 da tarde, achei que era apenas uma distorção banal, coloquei a minha mão sobre gelos, e quando foi as 05:00 do dia 05/04/2007 dei entrada no Ps central de Praia grande, onde um Medico Ortopedista me avaliou e mandou fazer um raio-x dizendo que eu fraturei todos as juntas dos dedos, no mesmo dia injessaram a mnha mão e este processo durou 5 meses, tira gesso e coloca gesso e nada do incahsso diminuir, apenas aumentava cada vez mais de eu não suportar o gesso, no 5 mês precisaram cortar o gesso com uma cerra, pq o gesso não saia de tão inchada que estava a minha mão, neste processo eu ja tomava remédios fortissimos como por ex: Amitriptilina e cada vez com dosagem mais alta, e este como outros remedios eu tomava di e noite, para aliviar a dor , após este processo passei a toma boqueios para tentar amenizar a dor, e após estes bloqueios eu ja não levantava o braço direito, foi neste momento que pararam de me dar os bloqueios e me encaminharam para Fisioterapia, onde fiz tratamento durante 1 ano, e quando viram que não havia resultados, me encaminharam para o Hospital das clinicas, onde eu me encontrei em uma sala com 16 especialista somente de mão, foi onde o medico via que não existia mais nenhuma solução para o meu caso, ele me apresentou a uma sra que estava sentada numa cadeira de rodas e me deu um ex: perguntando se eu achava que aquela sra iria voltar a andar e eu respondi que não, e ele logo em seguida me disse o caso da sra marcia não é diferente desta sra que se encontra sentada na cadeira, a sra tbm não irá movimentar mais a sua mão direita…
    E quando sai do Hospital meu tio não se deparava de tanto chorar com esta situação, e eu disse ao meu tio que ele não chorasse pq eu sou feliz mesmo estando nesta situação, pq existem pessoas com muito mais dificuldades que a minha e são felizes da melhor forma possivel e comigo não poderia ser diferente, pq eu perdi um membro e não todos do meu corpo, foi neste que eu decidi a conviver com a dor, pq não haveria nada mais a ser feito, alem dos tratamentos quais eu faço, e por irônia do destino o mesmo Ortopedista que me atendeu na madrugada qual eu dei entrada no Ps, foi o mesmo que matou a minha mãe por um tombo qual ela quebrou o fermo, e ele colocou varias doenças que nunca existiram nela quando ela faleceu, após um ano qual eu ja tinha perdido a minha mão.
    Ainda fui obrigada a ouvir piadinhas do Proprio Sindico do condominio onde eu trabalho, onde ele foi testemunha quando eu cai, pq ele me viu deparado nas escadas e assinou o cart como minha testemunha do meu acidente de trabalho, e após alguns dias quando eu dei entrada no Inss, ele virou para mim e disse que daria uma martelada na mão para poder pegar umas ferias, até estes tipos de piadas fui obrigada a ouvir, e me calar quando muitas vezes não quiz, mas ele ainda é o sindico do condominio onde estou registrada.
    Mesmo com as dores 24:00 por dia eu e considero uma mulher guerreira por que não foi e nem sera estas dores que iram me abater, pq eu perdi uma mão enão o restante do corpo.
    Mas o pior de tudo é que fui obrigada a ouvir após varios laudos medicos que o meu caso de (DSR) é Irreversivel, mesmo sabendo que não irei movimentar maos a minha mão, sou uma mulher muito feliz…
    Obrigado à todos e se alguém quiser trocar ideias ou ver como se encontra o meu caso é só me add no msn, que é festa.marcia@hotmail.com

  22. Gilciene comenta:

    24 junho, 2009 @ 5:00 PM

    Marcia de onde vc é?
    sua (DSR)é so na mão??
    estou a varios meses p
    procurando uma explicação,
    pra essa doença,minha tia sofre
    demais,estamos todos preocupados
    com ela.

  23. Marcia festa comenta:

    25 junho, 2009 @ 6:31 PM

    Gilciene não é facil mesmo sentir esta dor, mas eu não posso deixar ela me abater…
    Se quiser me add no msn pra conversarmos…
    Meu email esta logo ai em cima…

  24. marlene comenta:

    29 junho, 2009 @ 10:35 AM

    no dia 26 de fevereiro de 2009 tive uma fratura no braço direito (um tombo dentro de casa) confesso que ate hoje não passei um dia sem dor, segui o tratamento com o ortopedista e fisioterapeuta corretamente como foi recomendado como a dor permanece forte retornei ao meu ortopedista que ficou surpreso com o estado de meu braço informando que estou com distrofia simpatica reflexa. passou medicação e sessões de fisioterapia (20),gostaria que o senhor me orientace se a fisioterapia neste caso resolve. aguardo resposta desde já meu agradecimento.

  25. rosemary comenta:

    18 julho, 2009 @ 3:39 PM

    olá. há 5 meses estou sofrendo com essa doença de DSR. estou desesperada pois tudo o que vou fazer sinto muitas dores.estou fazendo acuputura estou tomando antidepressivos e analgesicos mas não tenho melhora. por favor quero saber mais sobre essa doença. o medico da empresa onde trabalho me afastou. mas o INSS não aceitou meu beneficio agora estou sem trabalhar e sem receber. pois coloquei na justiça e vai demorar. por causa dessa doença estou com muita divida com a empreza com consultas para o neuro e exames . estou bem desenimada. so tenho vontade de chorar. e as vezes de cortar o braço fora parece que iria aliviar minha dor.por favor espero anciosa alguma noticia sobre isso
    GRATA.

  26. Denise Teodoro comenta:

    19 julho, 2009 @ 12:42 AM

    Olá!!
    Tenho 26 anos, descobri que sou portadora de DSR a cerca de 10 meses depois de um tombo quando rompi os ligamentos dos dois joelhos. Fiz a primeira cirurgia em novembro de 2008 no joelho direito 15 dias após dormi com força e acordei sem ela e com uma dor insuportável nas duas pernas, depois de 15 dias no hospital veio o dignóstico de DSR. comecei o tratamento imediatamente com anitriptilina, gabepentina, tramadol, setralina, codeina, arcoxia, decadrom e as vezes morfina quando a dor passa do meu limite, fisioterapia e musculação.
    Depois de 5 meses de tratamento intenso voltei a anda lentamento e realizei a cirugia do joelho esquerdo (por orientação médica foi feita anestesia geral ou invés da raque) dois depois comecei a apresenta os sintomas mais agressivos ainda do que na 1°etapa. Para complica ainda mais contrai no momento da cirurgia duas bactérias multiresistentes (estafilococos aures e klebisela acho que não é asim que escreve) e fui internada novamente para inicia o tratamento contra a infecção. Por conta desse internamento contrai uma 3 bacteria pseudo monos e foi necessário abri novamente meu joelho por causa dessa bacteria e realizar uma limpeza, que foi feita no dia 18/05, fiz tratamento contra esssa bacteria por cerca de 25 dias com meloren em internamento domiciliar para não contrair mais nenhuma bacteria.
    Sinto dores terriveis nas pernas, tem dias que tenho vontade de arranca-las do corpo, continuo fazendo tratamento com os médicamentos acima, fisioterapia, hidroterapia, aculputura e musculação, mais mesmo assim as dores não param. Preciso de ajuda…tem alguma coisa que posso fazer para ter alguma alteração desse processo.
    isso realmente não tem cura?

  27. Luciana roberta comenta:

    20 julho, 2009 @ 3:11 PM

    Sei como se senti recorra va atras do seus direitos e não desanime .Além de estarmos doentes ainda temos que provar a patologia é complicado.Sei que somos vistos com preconceitos ,como se estivessemos fingindo é humilhante.Fazem cinco longos anos que sofro com essa dor e não tem cura é dificil de aceitar mais temos que se habituar com isso por que se acostumar é didicil por isso que você tem que ter toda força do mudo.

  28. Luciana roberta comenta:

    21 julho, 2009 @ 11:51 AM

    Considerações

    A Distrofia Simpática Reflexa é uma doença definida como uma entidade que acontece secundariamente a um trauma, cirurgia e/ ou doença sistêmica ou local.

    Caracteriza-se por uma devastação clínica importante composta por dor, edema, cianose e rigidez de uma extremidade, como resultado de uma disfunção vasomotora do sistema nervoso simpático. A dor descrita pelo paciente é intensa, queimante, hiperstésica e do tipo incapacitante que não se adequa ao tipo de trauma e nem a história da lesão ou exame físico. É uma complicação que pode acometer tanto as extremidades dos membros superiores como inferiores e geralmente surgi poucos dias após a lesão, de distal para proximal.

    Sinonímias

    Causalgia Atrófia Aguda do Osso;

    Atrofia de Sudeck;

    Síndrome Ombro – mão;

    Distrofia Reflexa da Mão;

    Quadro clínico

    1 – Dor

    É a característica mais notável e a maioria das vezes é descrita pelo paciente como uma sensação de queimor ou dor cortante ou dor lacerante. Geralmente é constante sendo exacerbada sobre várias circunstâncias tais como: fatores ambientais, emocionais ou por esforço. A parestesia dolorosa é um achado comum. A sensibilidade é localizada primeiro na área afetada da extremidade, mas, eventualmente pode envolver todas as articulações.

    2 – Edema

    É o maior achado físico e com o passar do tempo piora estendendo-se além do seu ponto de origem.

    3 – Rigidez

    É o que mais angustia o paciente. A falta de movimentação no estágio precoce da doença pode ser explicada por uma dor aguda produzida durante a tentativa de movimentação, todavia, a movimentação é inibida também por um forte edema e, no estágio final por uma intensa fibrose em todas as articulações e estruturas moles.

    4 – Descoloração

    Varia conforme o estágio da doença. A extremidade pode se tornar de cor escura cianótica, pálida, vermelha ou uma associação dessas tonalidades.

    5 – Hiperidrose – comum à DSR exceto no estágio tardio, quando diminui e a extremidade seca geralmente é encontrada.

    Etiologia

    Lesão dolorosa persistente ( traumática ou adquirida);

    Diástese ( pré-disposição, característica esquelética, susceptibilidade);

    Reflexo Simpático Anormal;
    Lesão Dolorosa Persistente

    O trauma inicial não precisa ser uma lesão grave como esmagamento maciço ou um tiro, ela pode ser uma lesão insignificante como prender o dedo numa gaveta ou uma pequena laceração do ramo superficial dorsal do nervo radial acima da articulação metacarpofalangiana ou uma fratura. No tipo DSR, síndrome ombro – mão, a lesão dolorosa persistente pode ser bem mais uma lesão visceral do que como resultado de um trauma. Uma desordem adquirida, tal como: isquemia tecidual, artrite, tenossinovite estenosante podem produzir uma lesão dolorosa.

    Diástese

    Há dois tipos de diástese comumente vistas. A primeira e provavelmente a mais importante e trata-se do fato que constantemente antecede no início da DSR, onde o paciente tem um aumento da atividade simpática e que pode ser classificada como uma reação hipersimpática, causada por tendência propícia à sudorese intensa, esfriamento das mãos e pés ou evidência de vasoconstricção pelo atraso do enchimento capilar quando uma compressão for aplicada uniformemente nos dedos da mão envolvida.

    A maior parte dos pacientes com DSR tem uma Segunda diástese, a qual afeta a personalidade e o caráter psicológico.

    O traço da personalidade tem sido descrito pelos psicólogos como:

    Inseguro;

    Tímido;

    Reclamante crônico;

    Desconfiado;

    Dependente;
    Reflexo Simpático Anormal

    Normalmente o reflexo simpático que ocorre seguinte a uma lesão, inicialmente causa vasoconstricção para prevenir a perda excessiva de sangue ou inchação. Após um período apropriado de tempo, há uma interrupção desse reflexo e ocorre uma vasodilatação gradual que é necessária para reparar o tecido danificado. Num paciente que desenvolve a D.S.R., este reflexo não é interrompido num tempo apropriado. Em vez disto, ele continua a acelerar atividade simpática. Por causa desta vasoconstricção intensa é produzida isquemia localizada e esta alteração produz dor reflexa.

    Estágios ou fases da D.S.R.

    Agudo
    Nrsta fase, há sinais de desinervação ou hipoatividade simpática, tais como, aumento do fluxo sanguíneo como consequente elevação da temperatura cutânea e rápido crescimento das unhas e pêlos. Manifesta-se com edema local, rubor e diminuição da amplitude articular na extremidade afetada. Os pacientes geralmente se queixam de intolerância ao calor. Esta fase pode durar até 3 meses, não ocorrendo em todos os pacientes.

    Distrófica
    Nesta fase, há hiperatividade reflexa em contraste com a intolerância ao calor da primeira fase porém, agora, a dor é queimante e hiperestésica. A diminuição do fluxo sangüíneo para a extremidade afetada produz uma diminuição de temperatura cutânea, diminuição de crescimento de pêlos e unhas frágeis. O edema pode estender-se e a amplitude articular torna-se ainda mais limitada. A pele geralmente fica fina, sensível ato toque ou cianótica. Nesta fase é que os pacientes começam a notar as alterações e ficam preocupados. Ocorre depois do terceiro mês e pode se estender por 6 meses após a lesão.

    Atrófica
    A dor, a hiperestesia e a diferença de temperatura cutânea tendem a diminuir. A pele adquire aspecto liso e brilhante, os músculos tornam-se hipotrofiados, há perda de força e severa restrição nos movimentos. Ocorre a partir de 6 meses pós-lesão.

    Classificação das formas clínicas

    1 – Causalgia menor
    2 – Distrofia traumática menor
    3 – Síndrome ombro-mão
    4 – Distrofia traumática maior
    5 – Causalgia maior

    Causalgia Menor

    Esta apresentação clínica envolve um nervo puramente sensitivo na porção distal da extremidade. Os sintomas usuais de dor na movimentação, vermelhidão, edema e rigidez estão presentes, más, não tão severos. A área envolvida pode ser 1ou 2 dedos e em outros casos pode ser múltiplos dígitos e uma boa porção da mão.

    Distrofia traumática menor

    Ë a forma clínica mais comum nos traumas como : dedos amassados, mau jeito, fraturas, luxações e uma lesão aguda que não envolve qualquer diagnóstico de lesão nervosa. Ela produz um problema extensivo menor, não só do ponto de vista da área da mão, mas, também por causa da menor severidade das manifestações clínicas e deformidades residuais e disfuncional.

    Síndrome ombro-mão

    Esta forma é determinada ou por um trauma proximal ou por uma lesão visceral dolorosa. A mais freqüente condição inicial é o ombro, pescoço ou lesão no tórax, ou úlcera gástrica. Os sintomas de dor , edema e rigidez usualmente iniciam-se proximalmente e eventualmente envolve todo membro e produzindo edema por todo o braço. Há mais secura e menos vermelhidão que em outras formas de DSR, porém, fascite palmar e nódulos agudo, vermelho e sensível são mais comuns nessa forma. É mais comum nas mulheres e podem produzir ombro congelado.

    Distrofia traumática maior

    Esta forma clínica é produzida por trauma maior, envolve uma específica do nervo e produz um grau maior de dor, edema, vermilhidão, rigidez e disfunção. Os principais iniciadores são as lesões por esmagamento e a fratura de Colles. Esta forma clínica envolve toda a mão e o punho, isto produz uma importância severa e um excesso de sintomas.

    Causalgia maior

    É a forma mais severa porque envolve parcialmente um nervo misto em uma parte proximal à extremidade. Isto tem efeito no paciente tanto do ponto de vista físico como emocional. A dor pode ser tão intensa e inflexível que o paciente pede para amputar a extremidade. O aumento da sudorese, palidez ou cianose, frieza e alterações tróficas são muito salientes nesta forma clínica de DSR.

    Diagnóstico

    É essencialmente clínico e este não é difícil nas fases iniciais quando se estar colhendo a história do paciente. No estudo radiológico, o que se encontra é : desmineralização das epífises, tecidos moles em tamanho maior e reticulados, córtex ósseo estriado e escavado invadindo a endóstea. Contudo, estas alterações não são específicas para DSR, elas podem ser achados de qualquer outro aumento da atividade óssea como paratireoidismo.

    A técnica de bloqueio neural diferencial determina se a dor é simpática, periférica ou central.

    Complicações

    - Capsulite adesiva;
    - Mão contraturada;
    - Úlcera cutânea;
    - Dor crônica;
    - Incapacidade funcional;
    - comportamento de dor operante

    Tratamento

    O tratamento da DSR é baseado no uso de medicamentos para combater os sinais inflamatórios, principalmente, as dores e fisioterapia agressiva e precoce para minimizar as perdas e maximizar a recuperação. Em virtude de se saber que traumas diversos podem levar a DSR, a sua prevenção é o melhor tratamento e isto se dar através do movimento precoce. A imobilidade é um fator causal que deve ser combatido.

    Quando instalada a DSR o tratamento vai ser no alívio dos sinais e sintomas , principalmente, no trabalho de dessensibilização pois, a hiperestesia é um sintoma presente e muitas vezes concomitante com as dores. A crioterapia como analgesia é indicada e o ultrassom pulsátil para debelar o edema é uma medida positiva. A rigidez quando presente pode ser resultado do edema (mole ou duro ) em conjunto com a imobilidade e, a medida que este vai reabsorvendo, a rigidez tende a diminuir e o movimento fica otimizado.

    O incentivo aos movimentos ativos é de fundamental importância na recuperação, mesmo que os mesmos sejam assistidos pois, o retorno do uso da bomba muscular implicará no aumento local da circulação, removendo o edema e os catabólicos álgicos e combatendo a imobilidade. O trofismo muscular pode ser trabalhado com os movimentos ativos e/ou com uso de correntes como a FES.

    O medo do paciente de mover o segmento afetado porque dói tem que ser trabalhado pois, a imobilidade vai ocasionar ainda mais dores, mais edema e aí torna-se um ciclo vicioso onde o produto final será a impotência funcional.

    Bibliografia

    1. ALTER,MICHAEL J. Ciência da Flexibilidade. Ed. Artmed 2ª edição 1996 p. 60

    2. GUM, S.L., REDDY,G.K. et al: Combined ultrasound, electrical stimulation and laser promote collagen synthesis with moderate changes in tendon biomechanics. Am J. Sports Med Rehabil 1997.

    3. Lehmkuhl, L., Smith, D.. Cinesiologia Clínica de Brunnstrom. 4ed, ed:Manole, São Paulo, 1987.

    4. KEENE,J.S., Ligament and Muscle-Tendon-Unit Injuries, Orthopedic and Sports Physical Therapy , Gould, J. And Davies, G., (Dekler, New York,1990)

    5. KESSLER, R., ” Friction Massage, ” Management of Common Musculoskeletal Disorders, Kessler ,R. and Hertling, D.,eds (Lippincott, Philadelphia, 1990)

    6. KHAN KM., COOK,JL;BONAR,F.; et al: Histopathology of common tendinopathies. Sports Med 1999

    7. KISNER,CAROLYN, COLBY, LYNN ALLEN; Exercícios Terapêuticos. Ed. Manole 1ªedição 1998

    8. KNIGHT,KENNETH L.; Crioterapia. Ed. Manole 1ªedição 2000

    9. KORR, I. M., Collected Papers of I.M. Korr ( Amer. Acad. Of Osteopathy, Colorado Springs, 1979).

  29. rosemary comenta:

    26 julho, 2009 @ 1:26 PM

    olá. gostaria de saber se alguem de vcs que tem essa doença. conseguiu auxilio doença e aponsetadoria por invalides. e como estão conseguindo trabalhar. porque eu não estou conseguindo.nem trabalhar sou costureira e tenho DSR. nos dois braços.

  30. edna comenta:

    4 agosto, 2009 @ 4:07 PM

    caí na escada e sofri uma luxação de Lisfranc, após a cirurugia apareceu está doença terrível, SUDEK, a dor é insuportável, tomo tudo que é tipo de remédioe não passa, neu medico da dor queria colocar umas agulhas na minha coluna interrompendo a dor, mas não quero correr este risco, é perigoso, tem que ir para mesa de operação e tenho alergia a anestesia, convivo com a dor 24 horas, emagreci muito, não tenho fome, pois a dor é tanta, deito com ela e acordo com ela, meu pé está sempres doendo, não tenho esperança que algum médico vá curar, ainda é desconhecido para a medicina o tratamento para esta doença, assim temos que nos contentar em conviver com ela o resto de nossas vidas, além desta fratuta ser rara, só acontece com dois por cento da população mundial, sem cura também ainda apareceu a tal de distrofia simpatico reflexa, não é fácil, mas fazer o que tenho que me conformar, já se passaram oito meses após cirurgia do pé e acho que jamais conseguirei caminhar direito, mas o fato de estar viva, celebro do ia que nasce a cada manhã. Boa sorte para nós todos, ficamos na expectativa de um dia alguem descobriri um remédio para nossa tão desesperada dor.

  31. Alessandra comenta:

    7 agosto, 2009 @ 8:30 PM

    Boa noite,
    Acabo de encontar este fórum e ler cada um dos “desabafos”, entre uma lágrima e outra, quero partilhar com vocês minha dor e o quanto é difícil conviver com a DSR! Não acredito que seja possível ser feliz com DSR, e sinceramente acho lamentável que alguns profissionais digam que precisamos aprender conviver com a dor.
    Mas, não desejo que saibam o quanto dói…
    Desenvolvi essa doença após um entorse do tornozelo há 14 meses, foi um entorse com ruptura de ligamentos, bastante doloroso e complicado, achei que doía tanto por isso, mas mesmo resolvida a lesão, a dor persiste, persiste e persiste…
    24 horas por dia, todos os dias.
    Em dias como hoje, acho que vou enlouquecer! Faço acupuntura há algumas semanas, mas parece que nada me alivia a dor. Estou fazendo uma 2ª série de bloqueios simpáticos, dolorosos e traumáticos, eles resolvem por pouco tempo! Já usei muitos remédios sem ter resultados, e já gastei muito, agora tomo oxcarbazepina e gabapentina, em doses altas, mas a dor continua!

    Meu médico vai iniciar um medicamento novo chamado Pregabalina, recém chegado ao Brasil com o nome de Lyrica. Hoje verifiquei o preço e estou muito esperançosa. Não estou fazendo propaganda, mas conversem com seus médicos, pode ser nosso alívio para tanto desepero. Deus nos abençoe!

  32. MARIA ALZENIRA BEZERRA comenta:

    9 agosto, 2009 @ 3:24 PM

    Pelos sintomas, apos uma fratura de punho, fiz uma ressonancia sexta feira e tudo indica que é distrofia de sudek. Vou ter que adaptar essa dor ao meu modo vivendis, aproveitar mais a vida, com a dor e tudo. Jesus de Nazaré estará comigo… sempre!

  33. Alessandra comenta:

    10 agosto, 2009 @ 7:07 AM

    Querida Alzenira e demais…

    Não adapte sua vida para sentir dor, isso não existe, sentir dor é insuportável!
    Invista em terapias alternativas, pratique uma atividade prazerosa e acredite que existe possibilidade de ter DSR e qualidade de vida, sem dor!

    Eu ainda não desisti e sinceramente acho que não podemos ser tão conformistas!

    Abraços.

  34. CELIA comenta:

    15 setembro, 2009 @ 2:43 PM

    PRENDI MINHA MAO NA PORTA DO ONIBUS,HOJE COM UM ANO E CINCO MESES FIZ UM ELETRONEUROMIOGRAFIA E O MEDICO DISSE SER UMA DESTROFIA SIMPATICO,SOUFRO MUITA DOR.COMO FOI ACIDENTE DE TRABALHO ESTOU PELA PERICIA.EU TENHO CURA?FUI ENCAMINHADA PRA UM NEURO ESPECIALISTA.MAIS SO TEM VAGA PRA MEU ATENDIMENTO EM JANEIRO.MIM AJUDEM.

  35. Elizete Guedes comenta:

    19 setembro, 2009 @ 8:26 AM

    Nem sei o que dizer depois de ler todos os depoimentos. Acredito que desanimei um pouco, pois até então imaginava que a DSR era um estágio temporário, curável.
    Assim como tantas pessoas sofri um entorse de tornozelo dia 23 de julho e nunca mais soube o que é colocar o pé no chão. Para complicar a minha situação tenho fibromialgia, que até então estava controlada. Estou sentindo dor, mas não sei se já venho aguentado outras dores há muito tempo e por isso não acho que seja tanta dor assim, é mais um incômodo, pois não consigo colocar o pé no chão, os dedos estão sempre doloridos, o pé inchado e aroxeado. Fiz a primeira sessão de fisioterapia ontem e a médica disse que eu vou ficar boa, olhei com uma certa descrença mas vou enfrentar. De todos que fizeram fisioterapia ninguém consegui melhorar?
    Será que realmente a DSR não tem cura? Não existe ninguém que conseguiu retornar as atividades normais? Eu quero voltar a andar, nem imagino a minha vida presa numa cadeira de rodas ou andando de muletas.

  36. Alessandra comenta:

    20 setembro, 2009 @ 6:31 AM

    Elizete…
    Não fique desanimada! Também prefiro acreditar que a DSR é temporário e curável.

    Apesar da dor, estou trabalhando, ou seja retomei minhas atibidades normais, com algumas limitações, mas voltei. Uso uma muleta canadense e todos os dias, agradeço a Deus por estar caminhando. Diferente de vc, sinto dores terríveis, as vezes um vento bate no pé e tenho a impressão que vou morrer de dor. A DSR dói até com carinho! Já não tenho muitos sintomas vasomotores (inchaço, mudança de cor e temperatua), mas a dor não passou ainda!

    Fiz fisioterapia por uns 5 meses, mas sentia tanta dor que desisti. Também fiz acupuntura que me deixou mais tranquila, mas não foi muito eficaz pra dor e também parei!
    Sou acompanhada pela clínica da dor, já tomei muitos medicamentos (oxcarbazepina, gabapentina, amitriptilina, cymbalta…etc).

    Terminei uma 2ª série de bloqueios simpáticos lombares em 09/09/09 e no dia seguinte iniciei uma nova medicação chamada Lyrica, estou me sentindo bem melhor, já até caminho sem a muleta dentro de casa e tenho dormido melhor.

    Converse com seu médico, e não desanime.
    Acredito de coração que a DSR vai passar e que seremos pessoas muito melhores depois!

    Um abraço fraterno,
    Deus nos abençoe!

  37. Karin comenta:

    20 setembro, 2009 @ 9:39 PM

    Boa noite.
    Li todas as mensagens e nao sei se fiquei animada pois tambem estou no mesmo lugar de voces eu cai a 1 ano e 6 meses, bati o joelho esquerdo, e a partir dai comecou o meu sofrimento passei por 20 medicos e ja escutei absurdos. Ja fiz fisioterapia piorou o sofrimento, estou fazendo acumpultura com eletrochoque mas tambem alivia na hora mas a dor persiste tomo caixas e caixas de codaten, ja tomei amiptrilina, entre outros remedios que ate guardei as caixas. Nao sei mais o que fazer, o meu medico esta querendo fazer manipulacao forcada pra ver se ha algum resultado mas estou com medo. Estou desanimada como voces pois nao sabemos quanto tempo ficaremos assim. Se alguem tiver alguma resposta por favor me ajudem. Vou fazer um blog e ai avisarei voces para estarmos em contato quem sabe conseguiremos vencer esta doencas juntos
    Abracos a todos
    Karin

  38. Karin comenta:

    22 setembro, 2009 @ 11:02 AM

    Alessandra sera que voce poderia fornecer o seu e-mail para conversarmos gostaria de saber sobre esta medicacao que voce esta tomando.
    Abracos
    Karin
    karinlucchini08@gmail.com

  39. Alessandra comenta:

    25 setembro, 2009 @ 7:17 AM

    Oi Karin,

    Nossa situação é mesmo bastante complicada, se não manipular atrofia, se manipulare dói…
    é um ciclo!
    Vc comentou de fazer um blog e eu sugiro, se vc tiver orkut que procure a comunidade de Distrofia Simpático Reflexa, somos apenas 111 pessoas de todo o Brasil, mas temos nos ajudado mutuamente e de certa forma é bom compartilhar o que sentimos.

    Estou tomando Lyrica, a dor melhorou ubs 30 as vezes 40%. Converse com seu médico.

    O Codaten não resolve nada, pode causar dependência e com o tempo deixa de fazer efeito,
    a dor é neuropática, precisamos de medicamentos que atuem no sistema nervoso…

    Abraço fraterno,
    Alessandra.

  40. Elizete Guedes comenta:

    26 setembro, 2009 @ 10:14 PM

    Olá,
    Estou sentindo dor, mas não é tanta. Estou fazendo fisioterapia e já estou conseguido colocar o pé no chão, mas depois sinto muita dor e meu tornozelo desinchou um pouco. Estou passando óleo de folha santa e sebo de carneiro aquecidos e o inchaço diminuiu 70%. Só vou ao médico dia 9/10 e espero estar bem melhor até lá. Gostaria imensamente que os médicos estejam engandos e não seja DSR, apenas resultado da longa imobilização, como acredita a fisioterapeuta. Desejo boa sorte e muita fé em Deus prá todos nós.

  41. Elizete Guedes comenta:

    26 setembro, 2009 @ 10:17 PM

    Olá,
    Estou sentindo dor, mas não é tanta. Estou fazendo fisioterapia e já estou conseguido colocar o pé no chão, mas depois sinto muita dor e meu tornozelo desinchou um pouco. Estou passando óleo de folha santa e sebo de carneiro aquecidos e o inchaço diminuiu 70%. Só vou ao médico dia 9/10 e espero estar bem melhor até lá. Gostaria imensamente que os médicos esteivessem engandos e que não seja confimdo o diagnóstico de DSR, apenas resultado da longa imobilização, como acredita a fisioterapeuta.
    Desejo boa sorte e muita fé em Deus prá todos nós.

  42. Alessandra comenta:

    27 setembro, 2009 @ 6:53 AM

    Elizete,

    Que notícia boa!
    Vc escreveu em um post aneterior que tabém tem fibromialgia, não foi?
    E também que sua fibro estava sob controle, o que sabemos que não é muito fácil, concorda?
    Então, pensamento positivo, até onde sei e sinto, a DSR está relacionada a dor, uma dor inexplicavel e em alguns momentos insuportável.
    De repente foi um diagnóstico precipitado, ou então sua DSR já está passando, li um dia desses que a duração desta sindrome pode ser de algumas semanas há muitos anos!

    E uma longa imobilização pode sim ter deixado sua articulação mais rigída, de qualquer forma, fico muito feliz por vc, por estar sem dor!

    Eu estou em uma fase boa, sentindo dor 5 em uma escala de 10, tenho dormido melhor e já até ensaio(dentro de casa) andar sem minha muletinha. Acho sim que vai acabar, que vou ficar boa e voltar a andar sem muletas, fiz fisioterapia por 05 meses, parei porque não suportava mais…
    Mas, mesmo sentindo dor procuro movimentar o tornozelo e o pé, continue firme na fisio e volte para nos contar,,,
    Desejo de coração que fique boa logo!

    Alessandra

  43. celia comenta:

    4 outubro, 2009 @ 1:48 PM

    e triste ver tantos casos temos tantos depoimentos comprovados q nao tem cura e os medicos dizem ser normal.e as dores por q nao param?

  44. Luciana roberta comenta:

    6 outubro, 2009 @ 11:11 AM

    Oiii já passei horas pensando sobre essa dor e cheguei a uma conclusão, a medicina não achou a cura e nem vai encontrar somos cobáias isso sim.
    Estou a cinco anos do mesmo jeito, pior cada vez aparece outra doença.
    Esse corticóide inflama o pâncreas ai aparece uma diabete mellitus ,doença cronica que não tem cura ,mais tem tratamento para aprender a conviver com ela.
    Ao passar do tempo vai atrofiando os nervos do membro atingido pela DSR
    Com isso tudo quando vamos perceber estamos cheios de patologias.
    Hoje a única certeza que tenho que temos que usar toda as nossas forças para lutar contra DSR e viver o máximo que a gente possa.
    Em 2004 quando surgiu os primeiros sintomas em mim conheci uma moça que na época tinha 25 anos,semana passada vi ela no hospital fiquei 13 dias internada,me apavorei ela deixou se levar pela DSR e hoje esta numa cadeira de roda.
    Por isso rezo por nós todos para sermos fortes e não deixar esse mal nos dominar .
    Abraços para todos.

  45. karin comenta:

    7 outubro, 2009 @ 10:49 PM

    Ola Luciana sei como se sente, eu tambem sinto a mesma coisa eu estou com DSR ha 2 anos, e realmente vejo que somos cobaias e falta interesse medico.
    Voce ja participa da nossa comunidade no orkut?
    procure distrofia simpatico reflexa la podemos nos ajudar umas a outras esta sendo maravilhoso para mim.
    abracos
    Karin

  46. Alessandra comenta:

    8 outubro, 2009 @ 7:42 PM

    Boa noite…
    Luciana, seu relato me deixou muito triste, mas como bem disse a Karin, realmente sabemos como se sente. E nesse processo de dor e aceitação, algumas vezes e muitas vezes precisamos cuidar da cabeça também. Não estou dizendo que este seja seu caso, mas eu não sabia o qto estava deprimida quando começei a fazer terapia há uns 03 meses.
    Até porque alguns medicamentos que usamos são antidepressivos, que mascaram bem a tristeza de quem vai dormir e acorda com dor!
    Reforço o convite da Karin, a comunidade no orkut é um espaço muito acolhedor.
    Um abraço,

    Alessandra.

    ps: Amanhã completo 30 dias com a Pregabalina -(Lyrica-Pfeizer), a dor melhorou bastante, mas algumas sensações não, estou tendo muitas cãimbras e dormência nos dedos…
    Mas, aprendo a cada dia que não posso deseperar!

  47. sandra marçal comenta:

    21 outubro, 2009 @ 8:11 AM

    oi eu li todos os relatos e tb quero contrar o que ocorre cmg em 2006 sofri um acidente e rompi tendões,ligamentos e tive um trauma no menisco do joelho esquerdo, na hora a dor foi horrivel e tive certeza que algo bem ruim tinha ocorrido, realizei cirurgia para correção dos problemas mas logo após desenvolvi DSR meu deus que dor,nunca pensei que pudesse sentir tanta dor, fiz todos os tratamento possiveis e imagináveis mas a dor não passava, ate o vento o lençol o simples movimento me faziam gritar. fiquei muitos meses sem movimentar a perna e tive varios encurtamentos musculares o que me deixou nove meses em cadeira de rodas fazia hidroterapia,fisio,acumpultura e tomava medicações diarias mas a malvada da dor sempre estava lá. sou técnica de enfermagem trabalho em um grande hospital de poa e até agora não pude voltar a trabalhar o que me causa muito sofrimento pois gosto muito do que eu faço. o meu medico me disse que não poderei voltar a minha profissão por hora mas tenho certeza que eu retornarei um dia pois tenho muitos planos para minha vida e não é um DSR que vai me vencer, caminho ainda com muletas mas ja sinto algumas melhoras,com todos os tratamentos que fiz recuperei os movimentos mesmo estando com a perna alguns centimetros mais fina por perda de musculatura, a ainda com dores fortes, quero dizer que algumas vezes o desespero foi tamanho que tive vontade de desistir de tudo e não fazer mais nada mas o desespero passa e a gente segue em frente força amigos vamos vençer estes porblemas tenho certeza um abraÇO A TODOS.

  48. Alessandra comenta:

    23 outubro, 2009 @ 8:58 AM

    …meu deus que dor,nunca pensei que pudesse sentir tanta dor, fiz todos os tratamento possiveis e imagináveis mas a dor não passava, ate o vento o lençol o simples movimento me faziam gritar!

    Sei que não alivia dizer que sei a intensidade de sua dor, mas podemos dividir experiências!
    Estou entrando na fase de aceitação da doença e de suas sequelas fisicas e motoras, cansei de acreditar que ficaria boa até o natal! Mas, inacreditavelmente, me sinto melhor agora, não sem sentir dor, mas sem sofrer tanto por estar sentindo!

    Sou enfermeira, trabalho como professora em uma universidade e fiquei sem trabalhar por 03 meses, depois por teimosia ou desafio, voltei a trabalhar e cada vez que vou ao médico ele me diz que não sabe como estou conseguindo…

    Eu também não sei, mas acho que é porque sempre tive muita esperança…Achava que ficaria boa logo e que ir para o INSS seria perda de tempo!
    Agora, não sei se fiz bem, mas vou levar até dezembro, depois pretendo reconsiderar essa minha persistência dolorosa!

    Se tiver orkut, procure nossa comunidade, é um espaço de muita troca e aprendizado.

    Um abraço,
    Alessandra.

  49. Elizete Guedes comenta:

    27 outubro, 2009 @ 8:35 PM

    Olá companheiros, vejam, não sou político, apenas imagino que sejamos companheiros de problemas com essa DSR.
    Olha foi uma novela ter a confirmação definitiva da DSR. Depois de 21 dias correndo atrás do médico do serviço público (não tenho plano de saúde), que, finalmente, confirmou o diagnóstico da doença, e que, segundo ele, está no segundo estágio.
    Bem, fui na farmácia ver o custo da medicação, ao todo 6 remédios, a serem tomados diariamente e alguns, três comprimidos ao mesmo tempo. Quase tive uma sincope, esquecendo a dor. No total, excluindo a vitamina D, 890,00 reais. Meus Deus, onde eu vou conseguir mensalmente essa quantia para bancar o tratamento? Como fazer para obrigar o Governo do DF a arcar com as despesas? E a fisioterapia? O médico passou mais 20 sessões. Num custo de 300,00 reais na clínica particular.
    Tenho medo de não fazer o tratamento adequado e o pé piorar mais ainda…
    Com tudo isso o que ainda tenho para dizer a vocês é que o meu pé não está mais tão inchado, que a dor diminuiu bastante, tenho conseguido dormir mais, apesar de que de alguns dias prá cá tenho sentido umas travadas na articulação que me fazer acordar com muita dor e ter dificuldade para fazer o pé voltar ao normal.
    Ah! Já estou andando sem muletas ou bengala, simplesmente por insistência e perseverança, mesmo com dor eu vou à luta, não me entrego, procuro fazer as minhas coisas, cuidar da minha casa e do meu filho pequeno. Eu não vou desistir, vou lutar até o fim, não vou deixar a doença me vencer. Quero ver quem pode mais.
    Mesmo que o meu pé atrofie definitivamente eu vou continuar a viver, nem que seja arrastando ele no chão, eu vou andar, eu vou resistir, acreditem.
    Mesmo que eu não fique 100% mais, tenho certeza que não é mais possível, a minha vida vai seguir. Vocês sabem quantas batalhas eu já venci? Várias. Contra tudo e contra todos eu sou uma sobrevivente e não vou permitir que mais essa me abata no campo de batalha.
    No dia em que eu for para o lado de lá, quero ser recebida como aquela que resistiu e insistiu. Gostaria de dizer a todos: A DSR não pode mais do que nenhum de nós!

  50. Ingrid Souza comenta:

    28 outubro, 2009 @ 9:54 AM

    OLá,
    quero compartilhar com vcs a situação da minha prima que tem DSR. ela como vcsvem a anos tentando vários tipos de tratamento. No começo de ano ela colocou uma bomba de morfina no corpo… tem sido uma loucura. além de uma quantidade enorme de remédios que ela toma, ainda tem a morfina no corpo. Ela não vive mais, fica em casa praticamente dopada.
    Será esse o destino que ela tem que acatar? Eu nào consigo acreditar que esse seja o unico tratamento. Ela tem 44 anos e não afz mais nada além de ficar trancada dentro de casa, e ir no hospital. Não sei como ajuda-lá. Queria a opinão de vcs em relação a essa bomba de morfina.
    Fiquem com Deus

  51. Miriam Juliano comenta:

    23 dezembro, 2009 @ 8:20 PM

    Quebrei um osso da mão do lado do minguinho, não lembro o nome e nem vem ao caso. Bom, surpresa, fiquei com a mão verde, braços em que não conseguia me pentear, imaginei que fosse por causa do gesso, lendo os depoimentos acredito que não foi bem isso. Bom, o que interessa, tenho essa DRS diagnosticada pelo o médico de mãos que estava me tratando. Fiquei com a mão em estado quase perfeito, apenas tendo um tendão grudado sem aquele calombinho em cima da mão, deixei assim, então, fiz fisioterapia 6 meses, 5 vezes por semana sem interrupção com uma pessoa muito dedicada que acredito minha melhora foi graças a esta pessoa. Eram sessões de quase 3 horas por dia com todos os equipamentos disponíveis, todos, desde cera, gelo, massagem com água, o fisioterapeuta esmagando minha mão que ficou rígida, tudo, e ficou bem bonita, ainda sua um pouco e tem sensibilidade ao calor. Não desistam. Agora quebrei o minguinho do pé, e 2 dedos estão escuros e inchados, já estou tentando resolver e com os depoimentos fiquei bem angustiada, é difícil, não dá para se machucar. Soui de Porto Alegre RS.

  52. Nenna comenta:

    22 janeiro, 2010 @ 3:13 PM

    Como todos vocês, também tenho a DSR, no meu caso, no pé esquerdo. Sofri um acidente de carro e esmaguei as cabeças dos metatarsos (2o, 3o e 4o metatarsos), além de ter tido uma fratura exposta na planta do pé, próxima ao 5o metatarso. Tive que fazer uma cirurgia de emergência e passei 51 dias com fios de Kirschner (hastes metálicas) e imobilização. Isso aconteceu em Julho/2009. Assim que os fios foram retirados e as lesões deixadas pelos mesmos fechadas, iniciei a fisioterapia. Já se foram mais de 80 sessões (faço todos os dias, de segunda a sexta) e até hoje não recuperei os movimentos do pé. Consigo andar sem muletas, apenas apoiando o calcanhar no chão, o que resulta num estiramento excessivo do tendão de Aquiles, que agora dói também, além das dores provocadas pela distrofia. O meu pé já está cianótico, meus dedos não encostam no chão e a minha perna até a altura do joelho também foi acometida. A temperatura permanece baixa incessantemente como se eu tivesse acabado de tirar a perna e o pé esquerdos da geladeira. É um horror e digo que hoje aprendi a conviver com esta dor que não passa. Faço tratamento medicamentoso, fisioterápico, psicológico e da clínica da dor. Tomo Lyrica (Pregabalina), Tramal Retard 100mg (Tramadol), Atenolol 25mg, Bonalen 70mg (Alendronato Sódico para osteopenia) e Amplictil 4% (Cloridrato de Clorpromazina). Nada disso resolve. Já tomei Amitriptilina, Tylex e Novalgina 1g logo no início, pós cirúrgico. Também faço bloqueio simpático lombar e de tornozelo na clínica da dor, o que alivia a dor por um curto período de tempo. O acompanhamento psicológico tem sido fundamental para sustentar a busca pela melhoria da qualidade de vida, pois não consigo dirigir, trabalhar, ir a festas, sair para passear, brincar direito com meus filhos, etc, sem que meu pé e minha perna fiquem inchados, doendo muito mais e completamente escuros (meus pés e pernas têm tonalidades diferentes já, o lado esquerdo já ficou mais escuro que o direito). É um sofrimento, dá mesmo vontade de desistir, mas acredito que a luta deve continuar. Em algum momento alguém vai descobrir algum medicamento ou tratamento que de fato traga melhorias ou cure esta síndrome dolorosa. Desejo força à todos que participam deste forum!!

  53. marcos aurelio comenta:

    1 fevereiro, 2010 @ 1:59 PM

    em dezembro eu sofri um acidente de transitoe o medico do ps da minha cidade mandou engessar apos 30 dias tirei o gesso mas as dores cutinuaram eu fui ao medico particular e ele me disse que tenho distrofia simpatica reflexa quero saber se tem cura porque minha mão fica roxa e incha e perdi o movimento da mão o que eu vou pegar cai

    obrigado aquardo resposta por mail

  54. Luciana Roberta comenta:

    2 fevereiro, 2010 @ 7:55 AM

    Marcos, esses sintomas são normais.
    Inchaço,vermelhidão,dor e perca de sensibilidade.
    Cura até hoje não soube de alguém que si curou,mais com o passar do tempo você vai perceber o que mais te prejudica e te deixa mais sensivel a dor.
    No começo eu quebrava todas as louças de casa,como se passaram muitos anos hoje ja sei como devo lidar com os untensilios que preciso manipular.
    Lute a dor é horrivel deixa a gente mal humorado mais com o tempo você vai saber lidar com isso.
    Tome cuidado com os medicamentos, AMITRIPITILINA da várias reações como inchaço,inflamação no pancreas e o CORTICOIDE também da os mesmos efeitos colaterais.
    Se você se tratar pelo sus converse com o seu médico sobre os efeitos colaterais dos remédios ,falo isso por que a maioria do tratamento deles é a base de corticoide e amitripitilina.
    Esses medicamentos nos incham muito amitripitilina eles receitam como relaxante muscular ou seja para nós conseguirmos dormi pois a noite a dor é pior peça que seu médico lhe receite outro medicamento e vai se observando se qualquer remédio lhe fizer mal não exite peça outro.
    Me baseio por várias pessoas que se trataram comigo e por mim mesmo.
    O que é o “Corticóide” e quais são suas Ações?

    Corticóides são hormônios produzidos pela glândula supra-renal. Sua produção é incentivada por um outro hormônio chamado de ACTH que é produzido na hipófise (glândula localizada na base do cérebro). Existem basicamente dois grandes grupos de corticóides: mineralocorticóides e glicocorticóides. Os primeiros têm uma função específica na regulação do volume de água do organismo através do controle da excreção e reabsorção do sódio nos rins. O segundo grupo tem amplas funções metabólicas e é esse grupo que será enfatizado nesse texto. Por isso, toda vez que for falado corticóide, leia-se glicocorticóide.

    Os corticóides são responsáveis por diversos mecanismos regulatórios que proporcionam, em última análise, um equilíbrio orgânico diante das diversas situações de estresse que o organismo se depara no dia-a-dia. Assim resumindo, suas funções são:

    - Metabolismo intermediário dos açúcares, gorduras e proteínas: eles aumentam a quebra de proteínas para que sejam transformadas em glicose pelo fígado, produzindo assim, a melhor fonte de energia utilizada pelo organismo. Levam, por isso, a um aumento da glicose sangüínea. Levam também a um aumento das gorduras sangüíneas, para que possam ser utilizadas pelos tecidos na produção de energia. Ou seja, ele disponibiliza ingredientes ao corpo humano, para produção de energia.

    - Mantém o tônus dos vasos sangüíneos:sem eles, os vasos se dilatam e o sangue não consegue chegar aos órgãos levando a um colapso circulatório, parada cardíaca e morte;

    - Tem também uma ação no volume de água corporal que é menor que os mineralocorticóides.

    - Têm um efeito inibidor das células de defesa do organismo o que leva a propriedades antiinflamatórias. Esse é o principal efeito utilizado no seu uso exógeno (através de remédios).

    Enfim, é um hormônio que propicia condições para que o organismo responda estresses de diferentes causas (infecções, lesão traumática, queimaduras, hemorragias, dor, situação de medo e luta, etc). Sua ausência nessas situações pode levar ao colapso circulatório ou endócrino-metabólico (falta de energia) e morte subseqüente. Espero que tenha ajudado bjuxxxxx

  55. Gustavo Monteiro comenta:

    21 fevereiro, 2010 @ 9:43 AM

    Oi! Tenho um aluno q tem a Sindrome Ombro mão gostaria de saber oq posso faser na sala de musculação com ele?
    Antes o Ortopetista falou q era Sindrome de Impato! Continuo realizando os exercícios q estava fasendo antes?
    Rotação interna e extena no garrote, Remada pegada neutra, Tríceps unilateral polia, Bíceps com barra, Apoio na bola de Pilates 65 Isometrico 3x semanal!
    Devo continuar?

  56. wana comenta:

    23 fevereiro, 2010 @ 1:26 PM

    No dia 30/11/2009, fraturei o quinto metatarso do pé esquerdo, usei gesso por 50 dias. Retirei e quando comecei a andar, esse pé começou a inchar e doer. Só melhora quando está elevado. Fui ao ortopedista e o diagnóstica é atrofia de sudek.Estou em uso de venocur triplex, meia elastica, ossopan e Bonalen. Melhorou um pouco, mas não o suficiente para andar normal.Faço fisioterapia e banho de contraste( tres minutos morno e um minuto gelado).

  57. Mayra Mendes comenta:

    26 fevereiro, 2010 @ 6:18 AM

    Minha irmã sofreu uma queda e fraturou a mão, desde então vem sofrendo muito de distrofia simpatica reflexa. As dores começaram na mão, subiu para o pescoço e agora ja atingiu a lombar, ela sofre muito toma varios medicamentos que pouco ajudam, ja foi em varios medicos mas nenhum conhece a doença ao certo e a cada consulta uma decepção, dizem que nã tem cura, mais se a medicina esta tã aançada como dizem como não tem cura!!! Por favor me ajude, estamos desesperados. Obrigada.

  58. Cynthia Maria comenta:

    30 março, 2010 @ 12:41 PM

    Olá, gostaria de saber se há indicação de ortese para pacientes com DSR, e como é avaliado essa indicação. Obrigada! Aguardo resposta. Abraços!

  59. josiane nascimento lima comenta:

    6 abril, 2010 @ 6:26 PM

    ola me povo que sofre como eu….
    no dia dois de novembro tive uma entorce no tornoselo direito.fiquei 47 dias com gesso.mesmo com gesso eu ja sentia muita dor no pe. depois que tirei o gesso meu pe estava roxo e variava a temperatura.foi diagnosticado pelo medico distrofia simpatica reflexa. o medico mediu que eu fizesse 60 sessao de fiselterapia.estou fazendo mais a dor nao passa e estou encostada pelo inss e la os medicos parece que nao acreditam em mim. sera que devo deixar meu tratamento e tentar voltar a trabalhar? alguem me ajuda ´por favor…. quando vou melhorar.e o que faço pro perito do inss acreditar em mim?aguardo resposta do sr desde ja agradeço muito…..

  60. LÚCIA HELENA comenta:

    10 abril, 2010 @ 12:51 PM

    SEI EXTAMENTE O QUE VOCÊS SENTEM , POIS TENHO DISTROFIA SIMPATICA REFLEXA , QUE FOI DIAGNOSTICADA LOGO, MAS FOI POR UM ACIDENTE DE ÔNIBUS, QUANDO EU IA ENTRAR, O MOTORISTA ARRANCOU E EU CAÍ PARA O LADO ESQUERDO, QUE ME CAUSOU TAA DOENÇA, QUE ATÉ HOJE SOFRO COM MUITAS DORES, FIZ, BLOQUEIO TESTE, RADICULOTOMIA PERCUTÂNEA, MAS NADA ADIANTOU ENTÃO COLOQUEI O NEUROESTIMULADOR MEDULAR QUE NO INICI ME AJUDOU MUITO, POIS SÓ APÓS O NEUROESTIMULADOR EU CONSEGUI ME LEVANTAR E ANDAR. O MEU PROBLEMA E NO MEMBRO SUPERIOR ESQUERDO. FAZ CINCO ANOS QUE ESTOU NESSE ESTADO, HOJE A DOR É INSUPORTAVEL, E MESMO COM O APARELHO DENTRO DO MEU CORPO , NÃO ESTOU CONSEGUINDO, SUPORTAR TANTA DOR. SE ALGUÉM SOUBER DE UM TRATAMENTO EFICAZ , POR FAVOR MANDE PARA MIM NO MEU E-MAIL .

  61. josiane nascimento lima comenta:

    11 abril, 2010 @ 2:37 PM

    hoje,estou muito ruin estou pensando em me matar nao suporto mais a dor

  62. RITA comenta:

    12 abril, 2010 @ 12:56 PM

    OI Luciana Roberta , VC PODE ME INFORMAR SEU E-MAIL?
    MINHA CUNHADA ESTÁ FAZENDO VARIOS EXAMES E TUDO INDICA QUE ELA TEM ESSE MESMO PROBLEMA.
    GOSTARIA MUITO DE CONVERSAR COM VOCE PARA MAIORES EXCLARECIMENTOS.
    ABRAÇOS.

  63. josiane nascimento lima comenta:

    16 abril, 2010 @ 12:05 AM

    alguem escreve alguma coisa pra mim… estou louca de dor………. hoje fui ate no ps pedir socorro pro meu medico.ele me aplicou voltaren dipirona na veia e no final pedi morfina pois nao aguento mais tanta dor.ador no meu pe e insuportavel e agora pra acabar de completar apareceu uma dor semelhante na minha mao direita que sobe ate o ombro… alguem sabe me responder se tambem pode de a dsr????? um abraço Ass:Josiane… meu e-mail e:josianen74@gmail.com… desde ja agradeço

  64. edna garin comenta:

    28 agosto, 2010 @ 7:29 PM

    Gostaria de conversar com alguem que tenha sofrido luxação de lisfranc no pé, eu não aguento mais conviver com dor 24 horas, desemvolveu no pé uma sindrome de sudek, e agora estou com sindrome compartilhada em todo pé, ostoporose e amis algumas coisas, quero trocar ideia, como tentar amenizar a dor, já fiz de tudo, mas sinto dores horriveis, acho que jamis terá solução, os medico tinham que descobriri como tirar nossa dor.

  65. cristiane tarazona comenta:

    6 setembro, 2010 @ 10:10 AM

    Fiz um blog contando minha história e como está meu tratamento, o que foi bom e o que foi ruim. Tenho DSR desde novembro de 2009 e o meu quadro tem tido bons resultados.
    http://www.distrofiasimpaticoreflexa.blogspot.com
    Me mande um e-mail e conte sua história – cristiane.tarazona@yahoo.com.br

    Um abraço

  66. catia cilene comenta:

    11 novembro, 2010 @ 12:01 PM

    aos 31 anos de idade,fui ate o posto de saúde tomei a vacina de febre amarela,na mesma hora da aplicação minha mão direita meu braço ficou dormente e muito enchado me causando muita febre,fiquei com as mão dormente e meu lado direiro com pouco movimento no meu laudo deu distofia reflexa simpatica,a moça não inspirou a cinriga me deu direto a vacina e injetou,em fim gostaria de saber se
    foi a mal aplicação ou se a comtra indicação da mesma que me fez mal assim acabando com minha saúde me responde por favor!!!

  67. KARINA comenta:

    8 dezembro, 2010 @ 10:28 PM

    BOA NOITE,
    HÁ DOIS ANOS QUE SOFRO DE DORES NA MAO , BRAÇO E OMBRO DIREITO. PRIMEIRO O MÉDICO ME DIAGNOSTICOU COMO DISCOPATIA NA C4, C5 ,C6 E C7, MAS ELAS NÃO SÃO MUITO COMPROMETEDORAS. DEPOIS OUTRO MEDICO DISSE QUE EU TINHA A SINDROME DO DESFILADEIRO TORAXICO. OUTROS MÉDICOS E ALGUNS EXAMES CONTRARIAM ESSE DIAGNOSTICO. FUI A UM MÉDICO QUE ME DIAGNOSTICOU COM SINDROME DOLOROSA COMPLEXA REGIONAL TIPO 1 E SINDROME DA DOR NEUROPÁTICA. EU ESTOU EM TRATAMENTO PORÉM JÁ NÃO ESTOU CONSEGUINDO FAZER VARIAS COISAS ATÉ SIMPLES. ESTOU DE LICENÇA HA UM ANO E CINCO MESES E JÁ FIZ VÁRIAS FISIOTERAPIAS , HIDRO ACUPUNTURA E OUTROS. ESTOU TOMANDO MEDICAMENTOS , MAS A DOR CONTINUA E EU ESTOU DEPRIMIDA E JA SEM FORÇAS. GOSTARIA DE SABER SE ALGUEM ENTENDE UM POUCOMAIS DESSA DOENÇA E O QUE VEM FAZENDO PARA TRATÁ-LA. POIS, JÁ TENHO DIFICULDADES ATÉ DÁ E PENTEAR OS CABELOS E MAL CONSIGO DORMIR DIREITO.
    O PIOR QUE EU SINTO É QUE MUITAS PESSOAS NÁO ENTENDEM ESSA QUESTÃO DE DOR , ATÉ PORQUE EU NÃO SOU DE FICAR RECLAMANDO PELOS CANTOS E TENHO SEMPRE ME ESFORÇADO A FAZER ALÉM DO QUE SUPORTO. SÓ QUE DEPOIS SINTO MAIS DOR. ENTÃO MUITAS VEZES ALGUNS FAMILIARES NÃO COMPREENDEM PELO QUE ESTOU PASSANDO E ME SINTO SOZINHA COM TUDO ISSO. JÁ COMECEI TERAPIA PARA PODER APRENDER A CONVIVER COM ISSO, E VER SE CONSIGO UM TRATAMENTO PARA FICAR MELHOR E VOLTAR ÀS MINHAS ATIVIDADES NORMAIS. O MÉDICO DISSE QUE EU VOLTARIA NO MAXIMO A SER 80% DO QUE EU ERA. É MELHOR DO QUE NADA. SERÁ QUE ALGUM DE VCS TAMBÉM TEVE QUE PASSAR POR TODA ESSA SAGA ATÉ ENCONTRAR UM TRATAMENTO.

  68. Paulo Oliveira comenta:

    21 janeiro, 2011 @ 5:56 PM

    Tenho DSR desde 2002 e me identifiquei com vários casos aqui relatados. Só quem passa por isso sabe o sofrimento e a limitação que sofremos devido a dor permanente. Depois de passar por vários médicos, meu diagnóstico acabou demorando 4 anos para ser detectado e com isso, meu quadro nas mãos, braços, dedos, teve uma piora gradativa e já estava com minhas funções motoras comprometidas, desenvolveu-se uma osteopenia, atrofia e depressão profunda.
    Para minha tristeza, o tratamento recomendado (bloqueios venosos, cervico-torácico, radiofrequência, centenas de fisioterapia e acupuntura) não surtiu efeito.
    Apenas em 2009, com muita pesquisa sendo feita pela família e, na medida do possível, por mim, descobrimos um tratamento alternativo com câmara hiperbárica, que senti uma considerável melhora. Desde lá já realizei 4 vezes, a primeira com 20 sessões, as demais com 10, a cada 6 meses. O tratamento ainda não é atendido pelos convênios médicos e estamos arcando com as despesas, por não ser reconhecida como tratamento para DSR.
    Além disso, em 2010, comecei a fazer osteopatia, utilizando paralelamente medicamentos como Lyrica (pregabalina) 150mg, nortriptilina 100mg, e por último meu médico recomendou um emplastro que fico por 3 dias, que chama-se Durogesic e que tb está ajudando bastante.
    Espero ajudá-los de alguma forma, pois estou nesta luta a vários anos e já tentei tantas alternativas e sei como é frustrante qdo não temos o resultado esperado. Atualmente ainda estou sem movimentar-me, pois sinto muitas dores ainda, não consigo ter minha autonomia para realizar atividades e muito menos voltar a trabalhar (o que tanto me entristece), mas estou conseguindo suportar melhor a dor.
    Melhoras para todos nós e sempre que eu souber de alguma novidade, postarei aqui.

    Abraços

    Paulo

    Outro medicamento qu obtive um certo resultado foi um emplastro

  69. Leonardo A. comenta:

    13 março, 2011 @ 1:13 AM

    olá, eu sofri um acidente em janeiro de 2008 e mesmo após 3 anos sinto dores extremamente fortes. A lesão é “conhecida” como fratura e luxação de LISFRANC. Fiquei muitas noites sem dormir por causa da dor; hoje estou com 26 anos e impossibilitado de fazer coisas sem precisar de ninguem. Eu tomo um medicamento que não recomendo, mas a quem interessar pergunte ao seu médico sobre o CODEX – 500mg de paracetamol e 30mg de fosfato de codeína (é como se fosse da familia da morfina).

    A todos, boa sorte com suas dores; e aprendam a conviver com ela antes que ela acabe com você!

  70. Isabel comenta:

    23 março, 2011 @ 11:03 AM

    Olé a todos chamo-me Isabel e
    tal como todos vocês,tenho DSR mas no pé direito.
    Há dois anos que parti o tornozelo, e tive direito a 6 parafusos no mesmo. Como tinha sempre muitas dores e após imensas viagens ao Hopital, acharam os médicos que eu estaria a regeitar o material de osteossintese, tesdo este sido retirado após seis meses da fractura. Disseram-me que depois tudo voltaria ao normal, o que não aconteceu.
    Depois de mútiplas queixas de dorses, pé roxo, dificuldade em andar, retornar ás canadianas, etc, etc,( já sabem o resto) mandaram-me para a únidade da dor onde fiz uma cintilografia, que confirmou a DSR.
    Após 2 anos, e ter tentado sem resultados o lyrica, gabapentina, agora vo colocar um neuroestimulador epidural, que espero que metraga algum alívio, pois já tenho acometimento na perna inteira e uma grande atrofia. Ando com uma canadian ou duas conforme a intensidade das dores, mas não paro de me mexer.Tento conservar a energia e a boa disposição para me sentir mais normal, embora ás vezes penso que o meu futuro é numa cadeira de rodas. Tenho 45 anos. Alguem já colocou este aparelho?

    As melhoras a todos

  71. shaiane brodt comenta:

    3 agosto, 2011 @ 9:30 PM

    Oie pessoal tudo bem…
    estou no mesmo sofrimento que vces,pois meu irmao de 19 anos caiu em março e ja passou por 9 medicos e todos dizem ki nao tem cura e que ele pode perder o pé so que ele ja esta ate com depressao e todos da familia tambem….
    ele caiu no exercito e ninguem socorreu ele,ja nao sabemos o que fazer….
    ele é um rapaz jovem e bonito mais esta perdendo a vida com este problema ….
    por favor quem quiser entrar em contato com nossa famila meu e-mail é este shaiabrodt@hotmail.com
    mais peço agradecida para quem poder nos ajudar a contar o seu caso e dizer se tem cura e qual o medico que procurou.
    pois ja estamos quase perdendo as esperanças dos 9 medicos que procuramos todos dizem o mesmo que ele nao vai nunca mais a voltar a andar e que ele pode ate ter que amputar o pé….
    obrigada a todos!!!!!!!
    e que deus ilumine todos!!!!

  72. Roseli Alves comenta:

    7 setembro, 2011 @ 11:55 PM

    Olá pessoal, achei que só o meu caso era complicado, mas aqui encontrei varios casos semelhante ao meu… Bom trabalhei durante 2 anos como digitadora e adquiri a famosa Tendinite dai a Tenossinovite e por fim Atrofia da mão direita então a Distrofia Simpatico Reflexa isso já faz 6 anos de dores, tratamentos com medicamentos e fisioterapia usava uma ortese para ajudar abrir os dedos da mão.; perdi força, sensibilidade da mão, falta de humor e condições motoras nas quais tive que me adaptar as atividades do dia-a-dia hoje vou fazer pericia para ver se continuo com o beneficio de Auxílio doença acidentario e uma briga com a empresa pois, não quer reconhecer que adquiri essa doença seguida de sequela na empresa. Estou em tratamento com fisioterapia para fazer bloqueio será que funciona, pois não conheço ninguem que tenha realizado.

  73. maria aparecida viana paiva da silva comenta:

    13 setembro, 2011 @ 2:28 PM

    boa tarde me chamam de cida enho disrtofia do simpatico reflexo na mao dirita ha cinco anos que estou nesta luta isto foi depois que operei o carpo tenho muitas dores a cor da mao e mais escura que a outra , suores a mao e muito estranho, e a esquerda tenho as mesmas dores so que a direita nao fecha mais nao posso nem tocar quando vou a fisioterapia e muito triste, porque um simples toque e a morte queria saber se um dia voltarei a fazer tudo ou ate voltar para trabalhar o meu lado direito as dores sao fortes no punho, ante braço no cotovelo e no ombro as vezes acordo com dormencia na mao outras noites sao fortes dores e dolado direto tenho muitas dores nos pes tenho tendinite nos pes e tornozelo as vezes tenho dificuldade de sair de casa obg

  74. bruno comenta:

    2 outubro, 2011 @ 6:05 PM

    Olá a todos, sou o bruno e sou de Portugal. Tenho DSC na mão direita que resultou de um esmagamento da mão, há 1 ano e meio. hoje faco gelo todos os dias, não consigo levantar o braco e doi me imenso o pescoco, aparece uma bola de golfe dura no ombro.
    Sei o que é a Dor e como é dificil as pessoas perceberem. eu não percebia e entendia antes de ter este acidente trabalgo.
    Já tomei tudo Lyrica, tramadol, antidepressivos,tudo agora vou fazer bloqueio
    acho que não vai haver cura, vamos ter de aceitare viver assim.
    Mas eu sei por mim proprio que como é possível viver assim?
    só gosto de dormir, éa unica altura do dia da minha vida que vivo sem dor…
    Sou crente e acredito em Jesus, talvez seja esta a minha cruz e tenho de carregar, muitas vezes caindo e querendo desistir, se não fosse a minha mulher e filha, mas é preciso lutar,
    Um abraco para todos, sei o que estão a passar, também sei que isso não ajuda nada a passar as nossas dores, mas sei o que é-.
    não consigo desejar isto a ninguém, nem a quem nos considere mentirosos ou loucos. não desejem também.
    Deus conhece-nos e sabe o que nós passamos, Ele sabe até onde podemos aguentar as tentacoes e nos ajuda.
    Nada me acalma mais do que ir a uma igreja, falta me muitas vezes forca para ir.
    Deus abencoe a todos na Paz de Cristo.

  75. Cristiane comenta:

    2 outubro, 2011 @ 10:13 PM

    Bruno,
    você está tratando errado. A DSR é incompatível com o gelo. Não se usa gelo para esse tipo de lesão neurológica. Pelo contrário, você deve manter a mão aquecida.
    Depois dá uma olhada no meu blog – http://www.distrofiasimpaticoreflexa.blogspot.com
    Qq coisa depois entre em contato.
    Um abraço
    Cris

  76. bruno comenta:

    4 outubro, 2011 @ 8:02 PM

    Olá Cris
    estive a ver todo o seu blog e está muito bom. os meus parabens!!
    desculpe não escrever mais mas não me consigo habituar a escrever só com uma mão e doi me muito a mão a escrever ( ás vezes nem ligo o computador porque acabo a escrever).
    O que se passa comigo,Cris , é o inverso de voce na parte da temperatura e existe muitas pessoas como eu. O que acontece para eu usar gelo é ser hipersensivel ao calor. Basta água morna que é inofensiva na outra mão para me queimar a mão afetada. o próprio sol é o suficiente para andar sempre na sombra e sinto me melhor no inverno. Por isso, uso gelo, porque a mão aquece de facto e apesar de não ter efetuado esse exame, existe uma termografia que mede a temperatura do corpo e é inclusive uma forma de diagnosticar o dsc.
    mas temos muitas semelhancas,não suporto o TENS, aumenta a dor e fico com formigueiro uns dias. não suporto surficies rugosas como roupa, etc. e muitas mais. Também coloco o meu sofrimento em redencao pelos sofrimentos do Nosso Senhor.
    já não consigo escrevrer mais,desculpe, continue em contacto,
    um abraco e forca a todos digam algo!

  77. Alessandra comenta:

    7 outubro, 2011 @ 3:44 PM

    …Karin, Cristiane, Bruno…

    Existem alguns posts meus por aqui, com relatos de minha história e tratamento. Cheguei a sentir dor pelo Bruno, só em pensar no gelo…Algumas vezes cheguei a tomar banho “quente” de meias por não tolerar o chão frio! Bem, como todos aqui sabem, a dor é nossa amarga companheira na Distrofia e nem preciso dizer do sofrimento físico, emocional e espiritual que ela nos causa…

    Hoje trago boas notícias!!!
    Estou sem usar analgésicos (codeína) desde maio, sendo que cheguei a usar 200mg/dia e ainda precisar de injeçoes e bloqueios para conseguir suportar a dor! Nem mesmo a bomba de morfina deu certo pra mim…fiquei com o aparelho por apenas 60 dias em 2009. Ainda estou usando Lyrica e Topiramato, mas quase não sinto dor…
    Deixei as muletas há 40 dias, mas sinto-me melhor a cada dia!

    Isso só foi possível depois de uma cirurgia espiritual, que realizei em Abadiânia -GO.
    Sei que esse é um assunto polêmico e sugiro apenas que leiam a respeito, se preferirem enviem e-mail com suas dúvidas que responderei: zuryiel@yahoo.com.br

    A Dor nos ensina a ter Fé, e a Fé nos ensina a ser solidários…
    Divulgar é o mínimo que posso fazer depois de ter recebido essa benção!

    site: http://www.johnofgod-brazil.net

  78. Ana Lucia Braghini comenta:

    23 janeiro, 2012 @ 6:42 PM

    Boa noite! Depois de horas de leitura de tantos depoimentos e comentários, deixo o meu…
    Tenho 46 anos e nos últimos 2 anos sofri um acidente doméstico, sim pasmem! assim ouvi do perito médico do inss, que era apenas um acidente doméstico, sim acidentes acontecem…mas o sofrimento a humilhação a falta de informações e a ignorância cultural de muitos, causam mais sofrimentos…Sofri um entorce no tornozelo direito em 2010, 30 dias gesso, tira, põe, tira e põe e finalmente uma renosância magnética, houve ruptura de ligamento e a famosa, sinistra…Síndrome Simpática Reflexa apareceu na minha vida, foi um susto e está sendo uma tragédia avassaladora…o laudo médico atualizado que fica na bolsa e me acompanha com Cid váriados e de causas das consequências da Símdrome, são tantos assim com a dor, li relato de alguém ter tomado banho de meias, eu digo aqui, tbém tomei banho de meias para que a água não relasse no meu pé, mas tirar as meias é pior do que a água, já tomei todos os medicamentos possíveis, acupultura, tratamento com a equipe de dor, outros tantos especialistas, gastei muito e gasto ainda com medicamentos que não são fornecidos pelo SUS, várias muletas canadenses, robofoot perdi as contas…já fui tão medicamentada para aliviar as dores que entrei várias vezes em convulsões, desmaios e o pior de todos…entrei em surto, sob efeito de medicação, alucinei…sai dirigindo numa crise de sonambulismo por cerca de 20km de casa e só acordei quando estava com o veículo de baixo de um caminhão…isso quando acordei em real situação e achei que estava sonhando e para explicar para quem viu e me socorreu do acidente…foi uma tragédia e eu não sofri nenhum arranhão. Eu digo a todos os amigos Deus estava guiando meu carro e realizando meu sonho, só que houveram consequências…perdi o carro, continuo pagando um carnê de mais 35 prestações, diminuiram os medicamentos toda a equipe médica, as dores aumentaram, a família fica sempre desconfiados se estou acordada ou dormindo pelo sonanbulismo, todo mundo tem as chaves de casa, o celular sempre tocando, os amigos ligam pra saber se estou em casa de repouso, claro que estou, iria onde….rsrsrs uso um órtose de 01 kl e meio no pé direito, um par de muletas canadenses, uma cadeira de rodas que pesa 28 kg e eu somente 45kg eu iria sair, carro destrído, as vezes nem quero ir no banheiro…não consigo se as muletas não estiverem ao meu alcance…Bom resumindo, depressão apareceu, eu luto contra…mas tem horas que é mais forte!! Tenho conhecimento e formação acadêmica sobre tudo que acontece que tem a doença…mas quando acontece com a gente é terrível. Estar dependênte, ser considerada como deficiente…a gente se sente inútil, fraca fisicamente, espiritualmente…se sente pequena diante do problema…diante de uma dor invisível que não se cala…judia a cada dia da gente…te acompanha em todos os momentos…voltar ao trabalho nem pensar segundos os especialistas…e os efeitos colaterais…e o sono na hora errada e pior eu mesma, as vezes nem sei se foi sonho ou se aconteceu…fico perguntando se tal coisa aconteceu e ou se eu acho que sonhei…ahhhhhhhhhhh medicamentos…nos enloquecem mas não nos tira a dor, a culpa é do organismo que cria defesas…a minha como a de alguns são densas, mas só quem tem e passa por isso é que entende o que o outro passa…então vamos nos unir e relatar, precisamos de forças para divulgar, publicar, gritar aos quatro cantos que existe algo acontecendo com a gente. Não espero pela cura, espero companherismo, parceria, cumplicidade, compromisso, responsabilidade…e que algo seja feito para nos aliviar um pouco a nossa dor!!!

  79. Tanize RGS comenta:

    1 fevereiro, 2012 @ 6:48 PM

    Boa tarde! Bom fraturei o radio distal o ano passado em Julho fiquei um mês e meio com gesso ,logo que tirei tive varias reações no punho e o médico diagnosticou DSR(distrofia simpático defelxa)que eu nunca tinha ouvido falar! De la para ca muito dor e uma luta diaria,tomando medicações e fazendo fisioterapia todos os dias para recuperar o movimento da minha mão ,do punho e ganhar amplitude, giro como os fisioterapeutas falam..Até agora não consegui voltar a trabalhar, póis também não tenho muita força e sei que a recuperação é lenta e gradativa! O que ta me preocupando que alguns dias começei a sentir dores na pernas nos joelhos mais exato , muita dor mesmo de quase não conseguir caminhar e tenho tomado remédios e tal e não está adiantando, alguém ai também ja sentiu dores em outras articulações que não especificamente onde foi a fratura ou membro afetado??

  80. bruno comenta:

    12 fevereiro, 2012 @ 9:32 PM

    Olá a todos mais uma vez. Gostava que todos nós pudessemos comentar e falar uns com os outros sobre esta doenca-
    Para quem não me conhece tenho 30 anos e sofro esta doenca há quase 2 anos, que parecem ser 20. Esmaguei o meu pulso e mao direita numa maquina que me provocou a DSR- Mas hoje já tenho ambos os bracos e mão afetadas, assim como o pescoço.
    Para quem não sofre com isto, parece piada ou mentira mas é a verdade mais pura. no meu caso está a alastrar-se para a outra mão, ou por fazer esforco só com ela ou mesmo a doeca, que penso ser a mais correta.
    Tomo lyrica 600 mg dia, tramadol rapido 150 mg, zaldial 8 comprimidos e ainda tenho pensos de fenitilo de 12 uh de 3 em 3 dias.
    estou a receber perfusoes de lidocaina 2 vezes por semana e é só nessa hora que estou drogado que vivo normalmente sem dor.
    Voces sabem o que é isso, viver assim, mas o mundo lá fora não e muitas vezes somos bombardeados com olhares e comentarios maldosos, Eu creio em DEUS, para mim isto é algo que temos de ultrapassar e aceitar viver ou sobreviver assim. Acabo por ter de crescer em outras formas, ao ter de pedir ajudar para atar o sapato ou abrir uma porta. tenho de privegiliar a minha filha e esposa enquanto estou bem e também confortar os outros que sofrem.
    Por isso quero dar um abraço muito sincero a voces todos, eu SEI O QUE ESTÃO A PASSAR, ACREDITEM QUE SEI!
    Gostava de dizer o que não me disseram a mim quando tive o acidente:
    A DSR é uma doenca INCURÁVEL para alguns mas CURAVEL para outros, pelo menos parcialmente.
    A fisioterapia deve ser em gestão da dor, mobilizando mas sem causar excesso de dor e reduzindo quando ocorre.
    Não é psicologico, podem estar a fazer amor e morrer de dores (Exemplo), simplesmente não podem controlar, a depressão pode aparecer e deve ser controlada,
    as melhoras e aproveitem a vida pessoal

  81. Isabel comenta:

    1 maio, 2012 @ 10:55 AM

    Olá a todos,
    Sou Isabel do Porto (Portugal) e já coloquei 2º neuroestimulador epidural no Hospital de S. João na unidade da dor crónica.
    Não há bons resultados, infelizmente, a dor persiste há 3 anos , ando de muletas não ponho o calcanhar do pé direito no chão. Alem disto tudo as dores de costas, do braço dto do polegar, já começam a se insuportáveis, há dias que não consigo por sequer a ponta do pé no chão. A cabeça está exausta, estou a tomar antidepressivos pois estou mto em baixo. Nenhuma medicação para dsr me faz efeito. A minha médica é fantastica, mas não sabe o que me fazer mais, ando em fisioterapia mas só me faz mais dores e nunca me apetece ir.
    Estou com grande atrofia nos musculos, tendão de Aquiles, etc.
    Tento fazer vida normal, mas não é facil…
    Isabel

  82. Leandra comenta:

    28 maio, 2012 @ 7:43 PM

    Boa Noite
    Me senti confortada por ver que não sou a única. Fiz uma mastectomia em maio de 2011 e meu braço do lado operado ficou com sequela . Nem a cirurgiã sabia o que havia nem o mastologista. Só agora com uma Fisiatra descobri perDER. É insuportável como Vcs já sabem. Quase entrei em coma no dia das mães de tanto tramal . Tenho 3 filhos pequenos e decidi parar com remédios fortes .Não direito mais e tenho uma empregada em casa.Não levantou nem um copo, não aguentou a dor.Tenho feito acupuntura e tomo mioflex.Deus tem tido misericórdia de mim. Um abraço e estarei orando por todos Vcs.Juntos ficaremos mais fortes pois nos ajudaremos .

  83. Eneida Borges comenta:

    15 junho, 2012 @ 7:53 AM

    Em fevereiro de 2012 tive um entorse no tornozelo esquerdo imobilizei onze dias com uma bota ortopedica que o médico assim me recomendou. Meu atestado foi de 5 dias e voltei ao trabalho, subindo e descendo e subindo escadas, pelo menos 4 vezes ao dia. Depois de 1 mes de 13 dias não aguentei mais . As dores pioraram muito. Tirei fiz ressonanciamagnetica que apontou rompimento parcial de ligament, tensonovite, perda de catilagem e varios derrames no pé. Estou afastada pr 4 meses e meio. Fiz mais de 50 sessoes de fiosterapia, sendo 2 tradicionais e 30 com aparelhos de pilates, esticando os nervos. Sinto ainda muitas dores, principalmente se andodentro de casa em situações necessarias.Sinto meu pe dormente e quente e a perna fria..Meu médico mais + 2 especialistas em pé não querem me operar. 2 deles alegaram que estou com o diagnóstico de Sudec. Me mandaram para piscina quente para cminhar na agua, tirar as muletas aos poucos e andar sem elas.Estou tomando gabapentina 300 mg (sendo que um dos medicos pediu que dobrasse a dosagem, fiz infilração neste meio temo,tomei uma caixa de nimesulida e vou para 5 injecçoes de corticoide.Um dos medios pediu + 20 sessoes de fiosioterapia especifica para Sudec) calor e outros procedimento que nao sei porque ainda não comecei. Minha licença termina em 31 de julho de 2012.
    Gostaria de saber sua opinião quanto a toda esta historia.

    N aguado agradeço.

    Eneida

  84. Osvaldo Luiz Sparapan comenta:

    23 junho, 2012 @ 9:58 AM

    Bom Dia,
    No Ano de 2003 sofri um acidente no punho direito, uma chapa cortou os tendoes, fiz a cirurgia e na mesma epoca que estava com a tala sentia muitas dores nos dedos e na mão, Os medicos não sabiam porque eu estava com tanta dor.
    Foi então que descobriram que eu estava com Sudek Sindrome Regional Dolorosa, fiz muitos bloqueios e fisioterapia, mas não adiantou, hoje estou com a mão dura, não consigo mexer os dedos e tenho dor todos os dias, estou em Marilia-SP, aqui não tem tratamento para esta Doença.
    Como posso melhoras, ou não vou melhorar.

    Obrifgado.
    Osvaldo Luiz Sparapan
    14 – 0735-9025

  85. matheus comenta:

    3 julho, 2012 @ 9:24 PM

    Olá pessoal,depois de um diagnostico de desgaste de cartilagem do joelho e milhares de tendinites do tendão do quadriceps,desenvolvi DSR…
    Tenho muita dor no joelho,minha mobilidade está péssima,e já vejo diferença de tamanho…
    Não tem um dia seguer que não sinto dor,as vezes insuportável,tento não desistir…Tomos vários remédios.
    A luta é diária.

  86. claudio aparecido ribeiro comenta:

    7 agosto, 2012 @ 6:02 PM

    boa tarde… EM 2008 fiz uma cirugia no ombro D para tratar de uma bursite,, fiz tratamento pos recuperatorio e depois de 2 meses voltei a trabalhar,, mas depois de uma semana de madrugada acordei com uma terrivel queimaçao no ombro que descia ate a mao..dor insulportavel que ate hoje tenho e cada vez maior..fiz mais duas cirugias no ombro e nada,, fiz bloqueio anestesico tbem nada..minha mao incha , gela e queima muito,, ate agora nao sei o que fazer ,, ja consultei todo tipo de medico e so agora que fui passar em pericia que o perito me falou que nao era poblema de ombro e sim causalgia..por favor me diz que especialista consultar?..obrigado..

    Responder · Curtir

    · Parar de seguir a publicação · há 3 segundos

  87. Regina comenta:

    13 outubro, 2012 @ 5:15 PM

    Ola meu nome e Regina dia 29 abril cai, fiz hidroterapia , fisioterapia, tomei antiflamatorio, ijeçao so agora depois de tanto tempo, meu medico pediu uma ressonancia. ELE ACHA QUE ESTOU COM ESSA DOENÇA DISPROFIA SIMPATICO REFLEXA, Mas eu não acreidto.POIS NAO TENHO DOR
    Fui em três médicos, uns dizem que e outro não, estou indecisa, meu PE nunca desincha
    O que fazer

    Em anexo o laudo do exame.

    INDICAÇÃO CLÍNICA:
    Dor crônica. Suspeita de impacto e sinovite.

    TÉCNICA:
    Ressonância Magnética de Tornozelo Direito.
    Realizadas sequências axiais, sagitais e coronais ponderadas em T2 e densidade de prótons, estas adquiridas sem e com supressão do sinal da gordura.

    ANÁLISE:
    Extensa rotura de toda a estrutura cápsulo-ligamentar medial do tornozelo. A rotura acomete toda a extensão do ligamento deltoide, e toda a inserção do retináculo dos flexores. Sinais de sequela de desinserção com perda da definição da estrutura ligamentar e retinacular, com perda da definição das fibras do ligamento e do retináculo. Importante desvio de granulação e fibrose que envolvem toda a extensão da estrutura cápsulo-ligamentar acometida, notandose insinuação da fibrose na margem medial da articulação tíbio-talar, abaixo do maleolo medial.
    Edema óssea no maléolo medial e na face interna do tálus com irregularidade cortical no tálus.
    A fibrose envolve o trajeto dos tendões do tibial posterior e flexor longo dos dedos, sendo o acometimento do tibial mais expressivo, notando-se aumento do sinal do tibial posterior com espessamento em sua inserção, além de mínimo espessamento sinovial em sua bainha. Não há alteração importante do tendão flexor longo dos dedos. Fibrose indicando rotura parcial do retináculo dos fibulares e da banda lateral dos retináculos superior e inferior dos extensores, notando-se a presenaça de fibrose até o nível do trajeto do extensor longo dos dedos. Discreto envolveimento do tendão com mínima sinovite em sua bainha, sem espessamento tendíneo. Não são observadas outras alterações tendíneas ou dos retináculos do tornozelo.
    Fibrose relacionada a lesão parcial dos ligamentos fíbulo-talares anterior e posterior, e do calcâneo fibular, além do ligamento tíbio-fibular anterior.
    Alongamento com aparente insuficiência do ligamento fíbulo-talar anterior, notando-se ainda no recesso anterior da articulação correspondente a presença de tecido sinovial espessado insinuando-se no recesso articular.
    Discreto derrame na bainha dos fibulares sem alteração importante do sinal dos tendões.
    Erosões profundas da cartilagem das subtalares com discreta sinovite, sem outras alterações osteoarticulares importantes do tornozelo.
    Túnel e seio do tarso de aspecto normal.
    Fáscia plantar de aspecto normal.
    Tendão calcaneano bem configurado.

    CONCLUSÃO:

    Rotura complexa e extensa de toda a estrutura ligamentar e retinacular da face medial do tornozelo, condicionando importante comprometimento com extensa formação de tecido de granulação e fibrose no ligamento deltoide e retináculo dos flexores. Tenossinovite estenosante secundária do tibial posterior com estenose associada da bainha do flexor longo dos dedo, sem sinais de tendinopatia.
    Alterações ósseas relacionadas a lesão das inserções tibial e talar do ligamento deltoide.
    Condropatia e sinovite das articulações do retropé.
    Extensa fibrose indicando sequela de lesão parcial do complexo ligamentar lateral do tornozelo e dos retináculos dos extensores e fibulares. Estenose parcial secundária da bainha dos extensores longo dos dedos com mínima sinovite. Discreta sinovite dos fibulares.
    Sinais que sugerem impactos ântero-lateral e medial do tornozelo, com provável insuficiência do ligamento talo-fibular anterior residual.

    Obs.: O CD que acompanha este laudo contém o exame completo.

  88. Hermano Lopes Volpi Simões comenta:

    20 dezembro, 2012 @ 2:44 PM

    Ibitinga,20 de Dezembro de 2012.Boa tarde.Meu nome é Hermano sou portador de Distrofia.Estou enviando esta mensagem com muito Respeito,Carinho,Atenção e acima de tudo com muita Generosidade.Boa tarde.É com muita Alegria e Satisfação que eu Hermano estou enviando esta mensagem para todos vocês.Eu Hermano tinha muitas dores das minhas sequelas devido ao acidente que eu sofri a doze anos atras e devido ao acidente passei por muitas cirurgias e fiquei com sequelas e tinha dores demais.Agora estou fazendo um tratamento que se chama Auto-Hemoterapia e Graças a Deus e ao nosso querido Doutor Luiz Moura que esta realizando este tratamento evolucionário no brasil.Eu Hermano já recebo este tratamento já fez três anos e estou muito bem de saúde.Eu Hermano vou pedir para todos vocês entrar neste sate e realize uma pesquisa e registre vocês todos como membro e depois iram descobrir o que significa o tratamento da Auto-Hemoterapia.O sate é Amigos da Cura.Boa tarde.Atenciosamente Hermano.Esperando merecer-lhe a Generosa compreensão eu Hermano despeço-me com um Grande abraço de Solidariedade.Boa tarde.Grato!Abraços,Abraços,Abraços.

  89. CATERINCK comenta:

    25 março, 2013 @ 8:27 AM

    Bom dia…Aliás de bom não tem nada a algum tempo.
    Como muitos aqui tbm sofro de DSR na mão direita.que na maior parte do tempo fica com uma formigação e dormência ,mudanças de temperatura rigidez do polegar e dor intensa.Desenvolvi este problema após uma cirurgia de túnel do carpo.Hoje faço tratamento através de bloqueio neuro muscular com antidepressivo, mais o pior que isso é que muita gente acha que é brincadeira e que não sinto nada, meu médico me indicou tratamento medicamentoso por 6 meses e talvez uma nova cirurgia.mais… Me ajudem essa dor é horrivel e muita gente não acha sério pq dificilmente os exames apontam algo.

Deixe seu comentário aqui !